conecte-se conosco


Entretenimento

“Um personagem com defeitos”, diz ator que vive Papa Francisco em “Dois Papas”

Publicado

Jonathan Pryce comentou seu mais novo papel como o papa Francisco. O ator, de 72 anos, interpreta o chefe da Igreja Católica em “ Dois Papas ” e revelou o quão interessante foi retratá-lo no filme.

Leia também: Netflix libera o 1º trailer de “Dois Papas”, novo filme de Fernando Meirelles

Filme Dois Papas arrow-options
Divulgação/Netflix

Cena do filme “Dois Papas”


“A coisa interessante sobre interpretar Francisco é que ele não é a figura mais sagrada, ele é um personagem com defeitos com uma história de ser visto como uma figura controversa na Argentina, possivelmente conspirando com a ditadura. Eu acho que, como ator, isso o tornou muito interessante, porque você mostra os dois lados do homem. Acho que se ele fosse apenas totalmente bom não seria tão interessante. Acredito que é por isso que as pessoas se identificam com ele, porque ele parece, sim, ser um homem do povo”, disse Jonathan Pryce em entrevista ao iG durante a 63ª edição do Festival de Cinema de Londres.

Com direção de Fernando Meirelles, o longa-metragem conta a história do então cardeal argentino Jorge Bergoglio (Jonathan Pryce), que, desiludido com o rumo da Igreja Católica, decide pedir sua aposentadoria ao papa Bento XVI (Anthony Hopkins). Passando alguns dias juntos em um verão em Roma, os dois discutem suas diferentes ideologias – reforma x tradição -, além de peculiaridades sobre suas personalidades, gostos e, até mesmo, confessam alguns de seus pecados um ao outro.

“Já interpretei muitos personagens reais no passado. Felizmente, a maioria deles estava morta, mas é uma enorme responsabilidade interpretar Francisco, porque ele é o chefe de uma organização com 1,2 bilhão de seguidores e todo mundo tem um ponto de vista sobre ele. Mas o que acho que fizemos é apresentar uma imagem completa do homem, que é um homem do povo que representa o povo, e quer fazer mudanças na estrutura da igreja e levar as pessoas de volta às igrejas”, acrescentou Pryce sobre os desafios de viver Francisco.

Direção de peso

Apesar de declarar que não sabia muito sobre o Vaticano, Fernando Meirelles também explicou o motivo pelo qual foi atraído pela oportunidade de dirigir o filme.

“Eu sou um grande fã do papa Francisco. Meu interesse foi mais a oportunidade de ir pra Argentina, conhecer de onde ele veio, falar sobre o papa. Esse papa eu acho que, hoje em dia, ele é uma das vozes mais importantes do mundo, porque primeiro ele está falando sobre a conservação do planeta. Ele fala muito da questão social, que a gente está deixando os pobres do mundo de lado e ele tenta incluir. Ele é um cara que, entre poucos, está tentando construir pontes entre religiões, entre culturas, enquanto todo mundo está querendo fazer muros. Tá essa onda agora muito estúpida nesse mundo de nacionalismo, meu país, minhas fronteiras. Esse é o maior erro. A gente é um planeta só. E é uma estupidez, uma idiotice, pensar em nacionalismo. Então o papa Francisco fala em planeta, e não em nações, o que é genial”, disse Meirelles ao iG .

Leia também: Como fica a corrida pelo Oscar 2020 depois dos festivais outonais?

Segundo o diretor, “Dois Papas” vai transmitir várias mensagens ao público, tanto no nível espiritual quanto pessoal.

“O filme tem uma mensagem no nível pessoal, que é você ouvir o cara que você discorda. É isso que acontece: são dois caras que discordam de tudo e eles têm que ouvir um o outro, então tolerância é uma mensagem. Ele fala sobre essa inclusão social no mundo, é uma mensagem política. E no nível espiritual, ele fala que mesmo quando você se sente desconectado de alguma coisa maior, é uma questão de tempo. Uma hora você se reconecta. Então tem uma mensagem pra quem tem religião, pra quem tem alguma prática espiritual, que é muito legal. Faz parte. Se perder a conexão faz parte”, explicou.

Burburinho do Oscar 2020

Além de contar com atuações espetaculares dos veteranos Jonathan Pryce e Anthony Hopkins, “Dois Papas” foi escrito pelo roteirista Anthony McCarten, que também já escreveu os roteiros de filmes de sucesso como “A Teoria de Tudo”, “O Destino de Uma Nação” e “Bohemian Rhapsody”, consagrados pela Academia no passado.

Comentando o burburinho que a produção tem causado como um dos fortes candidatos a estatuetas no Oscar 2020, McCarten afirmou: “Tentamos não nos envolver nesse jogo nós mesmos, mas se isso acontecesse, seria formidável. No caso seria meu quarto filme consecutivo que recebe uma indicação na categoria de Melhor Filme. Dedos cruzados”.

Enquanto as expectativas aumentam em relação à temporada de premiações, uma coisa é certa. Anthony adoraria trabalhar com Meirelles mais vezes no futuro.

Leia também: Novo filme de Martin Scorsese lidera ofensiva da Netflix pelo Oscar em 2020

“Foi maravilhoso trabalhar com ele. Posso fazer isso novamente, por favor? Ele é brilhante. O que amo sobre [o Meirelles] é a sua humanidade. Você consegue ver a maneira como a câmera ama os rostos. Ele ficaria apenas feliz em deslizar a câmera no rosto de alguém. Ele é um humanista, há algo franciscano sobre ele. Ele é o único diretor de cinema que sei que pode deixar a direção amanhã e ir trabalhar em seu jardim felizmente. E ele também quer salvar o planeta. Ele é muito engajado nesse movimento de mudanças climáticas do meio ambiente. Então sou um grande fã e os atores o amam. Ele dá espaço para eles trabalharem e genuinamente os encoraja”, finalizou o roteirista ao iG .

Dois Papas ” estreia na Netflix em 20 de dezembro.

Acompanhe os eventos mais exclusivos em Londres pelo Instagram da repórter Patricia Dantas ( @patydantas8 )

Comentários Facebook
publicidade

Entretenimento

Além de “Madeleine”, outras cinco séries que narram crimes reais

Publicado


source

Treze anos depois,  a polícia alemã identificou um novo suspeito  pelo desaparecimento de Madeleine McCann . Com o novo desdobramento no caso, a procura pela série da Netflix que conta os bastidores das investigações do crime, que aconteceu em 2007, aumentou. Se você gosta de casos reais e tem estômago para saber em detalhes várias barbaridades que já aconteceram no mundo criminal, vai querer maratonar também essas produções:

Leia também:
O mundo era outro quando “Chocolate com Pimenta” estreou
Confira 8 produções para entender mais sobre o racismo
A luta antirracista narrada em 5 livros de autores negros

“The Trials of Gabriel Fernandez”


Em “The Trials of Gabriel Fernandez”, ou “Os Julgamentos de Gabriel Fernandez ” em português, a Netflix apresenta um relato completo e documentado do que aconteceu com o garoto, de origem latina, que vivia em Palmdale, norte de Los Angeles, EUA.

Através dos seis episódios, o documentário detalha as investigações feitas por assistentes sociais do país, que acabaram descobrindo que a criança sofria constantemente com abusos domésticos antes de ser morto pela mãe e pelo padastro, que desconfiavam da sexualidade do menino.

“Investigação Criminal”


A produção mostra como delegados, peritos e legistas conseguiram encontrar respostas para crimes que abalaram o Brasil. Entre eles, estão casos como os de Isabella Nardoni, Suzane Von Richthofen , Eloá, Maníaco do Parque, João Hélio, Farah Jorge Farah, Caroline Silva Lee, do serial killer de Itaquaquecetuba, do crime da Rua Oscar Freire e vários outros.

Produzidas pela  A&E  e antes disponíveis na Netflix , as nove temporadas, totalizando mais de 70 espisódios, estão agora no  Looke , serviço de streaming brasileiro.

“Conversando com um serial killer”


Ted Bundy foi um dos serial killers mais emblemáticos dos Estados Unidos. Nos anos 1970, ele foi responsável pelo assassinato brutal de dezenas de mulheres. Mesmo 50 anos depois, ele ainda desperta fascínio e espanto no público.

Produzida pela Netflix em 2019, a série reúne uma série de entrevistas atuais com policiais, jornalistas, advogados e até amigos de Ted, materiais de arquivo e gravações de áudio que traçam o perfil do criminoso. Os quatro episódios de “Conversando com um serial killer” estão disponíveis no serviço de streaming.

“Gênio do Mal: A Verdadeira História do Assalto a Banco Mais Diabólico da América”


Em 2003, nos Estados Unidos, um entregador de pizza entrou num banco com uma bomba em seu corpo e uma estranha bengala. Após anunciar o assalto, vem a parte mais assustadora da história: o homem simplesmente explodiu.

A série documental produzida e disponível na Netflix  explora o que há por trás do misterioso caso do ” pizza bomber “, como veio a ser chamado. A história real deixou muitas dúvidas – Ele estava por trás do roubo? Era a vítima? O que deveria fazer? Com um minucioso trabalho de pesquisa e acervo, a produção tenta solucionar algumas destas questões.

“Marielle – O Documentário”


A série documental conta a vida e a morte da vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco , e de seu motorista, Anderson Gomes , em um atentado em 2018. Até hoje, o crime não foi solucionado e o culpado está impune.

Original Globoplay , a produção registra momentos íntimos da vida da vereadora e do motorista, construíndo uma narrativa até o assassinato da dupla. São seis episódios, que variam entre 45 e 60 minutos, compostos por entrevistas com os familiares das vítimas, policiais, jornalistas que cobriram o caso, procuradores e autoridades políticas e outros materiais inéditos.

Fonte: IG GENTE

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política MT

Mato Grosso

Nacional

Entretenimento

Tecnologia

Mais Lidas