Connect with us

Economia

Santander realiza leilão de 79 imóveis com até 62% de desconto

Publicado em

O banco oferece possibilidade de financiamento
Guia do Investidor

O banco oferece possibilidade de financiamento

O Santander vai leiloar 79 imóveis com desconto de até 62%. Os lotes poderão ser arrematados até 8 de agosto, com lances que variam entre R$ 31,3 mil e R$ 1,8 milhão. As unidades podem ser avaliadas na loja da Sold Leilões, na plataforma Superbid.

São casas, apartamentos, salas comerciais, galpões e terrenos localizados em 11 estados: Bahia (4), Goiás (4), Minas Gerais (12), Paraná (5), Paraíba (3), Pará (3), Pernambuco (9), Rio Grande do Sul (8), Rio de Janeiro (16), Sergipe (4) e São Paulo (15).

O Sudeste concentra a maior parte dos lotes, com 43 unidades. No Rio de Janeiro (RJ), um apartamento com 203 m² recebe lances a partir de R$ 932,2 mil (35% abaixo do valor de avaliação). Em Macaé (RJ), a partir de 143,5 mil é possível arrematar uma casa com 124 m² (53% de deságio). Em São Gonçalo (RJ), uma casa com 95 m² recebe lances a partir de 92,4 mil (50% abaixo do valor de avaliação).

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Já em São Paulo (SP), um apartamento com 45 m² está disponível a partir de R$ 95,7 mil (42% abaixo do valor de avaliação). A partir de R$ 471,9 mil é possível arrematar uma casa com 136 m² (34% de deságio). Em Araraquara (SP), uma casa com 275 m² está à venda a partir de R$ 173,2 mil (40% abaixo do valor de avaliação).

Para os que desejam investir em imóveis comerciais, Niterói (RJ) e Porto Alegre (RS), oferecem opções a partir de R$ 75 mil (36% de deságio) e R$ 495 mil (49% de deságio), respectivamente. Entre as opções de galpões logísticos, em Catalão (GO), uma unidade com 360 m² está à venda a partir de R$ 264,8 mil (47% de deságio).

Dívidas quitadas

Todos os imóveis possuem os débitos de condomínio e IPTU quitados até a data do leilão. O Santander oferece facilidades de pagamento que variam conforme o tipo do imóvel. Para os residenciais, há financiamento de até 80% da propriedade em até 420 meses; para salas comerciais, o financiamento é em até 360 meses. Lotes e terrenos devem ser adquiridos exclusivamente à vista.

O edital e informações dos eventos estão disponíveis nos links de cada leilão ou no  portal do Santander  ou pelo portal .

Fonte: IG ECONOMIA

Comentários Facebook
Advertisement

Economia

Lula x Bolsonaro: eleitores avaliam principal problema na economia

Published

on

Lula x Bolsonaro: eleitores avaliam principal problema na economia
Ivonete Dainese

Lula x Bolsonaro: eleitores avaliam principal problema na economia

Uma pesquisa realizada pelo Instituto FSB Pesquisa para o banco BTG Pactual divulgada na semana passada revelou o principal problema na economia brasileira para os eleitores dos presidenciáveis Jair Bolsonaro (PL) e Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que lideram a corrida eleitoral. Entre os brasileiros que votarão em Bolsonaro nas eleições de outubro, 42% elegeram os impostos como o problema mais grave. Daqueles que votarão em Lula, por sua vez, 47% consideram a situação do desemprego pior.

Na sequência, os bolsonaristas dizem que a inflação (40%) e o desemprego (25%) estão entre os principais problemas econômicos, enquanto, para os petistas, a inflação (33%) e a desigualdade social (33%) são mais delicadas. A pesquisa ouviu 2.000 pessoas em entrevista por telefone, entre os dias 24 e 26 de junho. Ela está registrada no TSE (Tribunal Superior Eleitoral), sob o número BR-05022/2022.

“Eu vejo, como eleitor do Lula, que o atual governo administra muito mal o país em todas as questões. Na pandemia, deixou de comprar logo as vacinas, tentando impor a questão da cloroquina e de outros remédios que não tem eficácia comprovada. Além disso, na área da distribuição de verbas, nós temos um problema muito sério que é o ‘orçamento secreto’. O governo distribui recursos para deputados federais e acaba não priorizando as principais questões do país”, opina o aposentado Paulo Santana.

“Na área da economia, eu vejo como muito grave essa questão da inflação. Nos últimos dois anos desse atual governo, aumentou muito a inflação dos produtos básicos (arroz, feijão, café). A inflação voltou a ter dois dígitos. Isso gera desemprego, aumenta o número de pessoas vivendo em situação de pobreza… A gente tem carestia e aumento de preços, sem que o salário tenha aumentado na mesma proporção”.

Somente nos últimos 12 meses, a inflação medida pelo IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) acumula alta de 10,07%, segundo dados divulgados em julho pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). O avanço é puxado, sobretudo, pelo aumento nos preços dos combustíveis. Nesta semana, porém, o mercado financeiro reduziu mais uma vez a estimativa para a inflação em 2022, de 7,11% para 7,02%. Foi a sétima semana consecutiva de baixa. 

“Os eleitores do Bolsonaro podem, sim, achar que o principal problema na economia atualmente são os impostos, mas provavelmente acham que ele está sendo resolvido. Agora, se a pessoa vota em outro candidato, como o Lula, e elege a inflação como o problema mais grave, então ela possivelmente acha que a inflação está fora de controle, está aumentando. Você não sabe se a pessoa está vendo os impostos e a inflação de uma forma positiva ou não. Precisaria perguntar se ela acha que o problema está sendo resolvido”, afirma o cientista político Alberto Carlos Almeida.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Para tentar se esquivar da responsabilidade da alta da inflação, o presidente Jair Bolsonaro tem atribuído a culpa pelo aumento dos preços às medidas restritivas contra a Covid-19 e a governadores e prefeitos. Neste ano, o governo decidiu cortar impostos federais, como o PIS/Cofins sobre o diesel e o gás de cozinha, e aprovar no Congresso Nacional um projeto de lei que cria um teto de 17% para o ICMS (imposto estadual) sobre combustíveis, energia elétrica, comunicação e transporte coletivo. 

Mesmo com as medidas, o chefe do Executivo aparece em segundo lugar nas pesquisas sobre intenção de voto, justamente atrás do seu principal oponente, o ex-presidente Lula. Em pesquisa divulgada nesta segunda-feira (15) pelo Instituto FSB Pesquisa,  Bolsonaro aparece com 34% dos votos no primeiro turno, ante 45% de Lula. Na semana passada,  o petista também tinha 41% das intenções de voto, e o atual mandatário, 34%, também segundo o FSB.

“A popularidade dele [Bolsonaro] tem melhorado de uma forma muito lenta. É preciso aguardar para avaliar isso. As avaliações como ruim e péssimo são muito altas. Caíram, mas a melhoria é muito lenta. Depois que acabou a pandemia, mais empregos foram criados, houve uma melhora muito gradual da economia, e isso daí que teve impacto. Não foi uma coisa específica. No ano passado, tivemos o início do fim das medidas de restrição, isto é, o início de atividades que exigem aglomeração, e neste ano, essas atividades vêm voltando”, diz o cientista político. 

“Esses problemas apontados que mais afetam a rotina dos brasileiros (impostos, inflação, desigualdade e desemprego) estão todos conectados. É um sistema econômico, que ao funcionar de uma certa maneira, cria tanto inflação quanto desemprego, às vezes mais e às vezes menos, cria necessidade de aumentos não só de impostos, mas também do conjunto de contribuições – então a gente vai falar de tributos. E aumentando desemprego, inflação e tributos, aumenta a desigualdade”, declara o economista e professor da Universidade Estadual Paulista (Unesp), Elton Eustaquio Casagrande.

“Quanto à inflação, ela deve ceder até o final do ano – até porque a taxa de juros é absurda e exorbitante”, continua ele. Em uma tentativa de controlar a inflação, o Comitê de Políticas Monetárias (Copom) do Banco Central aumentou mais uma vez a taxa básica de juros da economia. Desde a última reunião da entidade monetária, realizada no início deste mês, a Selic está em 13,75% ao ano. 

Com a taxa básica de juros mais alta, outras taxas de juros também aumentam, o que torna empréstimos e financiamentos mais caros. Isso desestimula o consumo e, consequentemente, cai a demanda por produtos e serviços. Com uma queda na demanda, a oferta sobe, e os preços caem. Na ata da reunião, porém, o Copom reafirmou o seu plano de encerrar o ciclo de altas.

Correção da tabela do Imposto de Renda

Entre as promessas de campanha dos dois candidatos à presidência da República, está a correção da tabela do Imposto de Renda, que continua sem reajustes desde 2015. Nas últimas semanas, Jair Bolsonaro (PL)  voltou a falar no assunto. Essa já era uma promessa dele em 2018, quando foi eleito. Mas a agenda nunca saiu do papel.

A defasagem da tabela leva pessoas com poder de compra cada vez menor para a base de contribuição – ou seja, há cada vez mais contribuintes obrigados a pagar imposto. Isso porque os salários sobem para acompanhar a inflação, mas a tabela do IR segue igual. Somente no governo Bolsonaro, entre janeiro de 2019 e junho de 2022, a defasagem somou 26,57%, segundo Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Sindifisco Nacional).

“Quem ganha um salário mínimo (R$ 1.212) está quase pagando o Imposto de Renda. Se corrigir a tabela de uma maneira radical, as pessoas vão ganhar mais, vão perder menos com a inflação e vão poder consumir mais, o que vai reativar a economia muito rapidamente. Então, eu acho que a classe empresarial hoje, preocupada com o desemprego, preocupada com a desigualdade, devia fazer uma pressão para, por exemplo, a correção da tabela do Imposto de Renda e de outros aspectos também práticos para aumentar o poder de compra da população”, avalia o economista.

“Essa não devia ser uma medida de promessa política. Ela já é há bastante tempo uma medida necessária para o bom andamento econômico. Porque a não correção penaliza quem tem desconto na fonte e tem rendimento menor. Essa questão de promessa tanto de um quanto de outro candidato não devia estar sendo colocada no Brasil em termos de preocupação social. Isso já deveria estar resolvido, porque medidas para isso a classe política tem”, continua.

Já Lula disse, inclusive nesta terça,  que uma de suas primeiras ações, se eleito em outubro, será corrigir a tabela do Imposto de Renda. A declaração foi dada a trabalhadores do lado de fora de uma fábrica em São Bernardo do Campo (SP).

“Eu vejo que a economia brasileira é uma economia que falta recursos, ou seja, tem limitação para ser uma política mais efetiva, principalmente por conta do ‘alto custo Brasil’. Os gastos públicos são enormes, e não sobra recursos para infraestrutura e tudo que precisa ser feito no nosso país. Então, nós temos aí: os gastos públicos e o teto de gastos, que foi aprovado no governo Temer e  limita muito a atuação do Executivo. E também a reforma tributária que não sai e seria fundamental para o país”, expõe o representante comercial Edilberto Malta, que diz que votará em Bolsonaro contra Lula em um eventual segundo turno.

Auxílio Brasil

Para aumentar sua popularidade entre os mais pobres, base eleitoral do ex-presidente Lula, o presidente Jair Bolsonaro articulou a aprovação da chamada “PEC (Proposta de Emenda à Constituição) Eleitoral” ou “PEC de bondades”, que instituiu estado de emergência e  permitiu a criação ou ampliação de uma série de benefícios em ano de eleições. O texto foi promulgado pelo Congresso no final de julho.

A PEC aumentou o valor do Auxílio Brasil de R$ 400 para R$ 600, dobrou o valor do vale-gás e criou um auxílio de R$ 1 mil para caminhoneiros e para taxistas. O Auxílio Brasil, substituto do Bolsa Família, criado no governo do PT, é a principal aposta de Bolsonaro para a corrida eleitoral. 

Como as medidas proporcionadas pela PEC valem até o final deste ano, elas vêm sendo chamadas de “eleitoreiras” pela oposição. “Realmente, elas foram tomadas na reta final da eleição. Eu acho que o eleitor tem sim razões para desconfiar, porque o país vinha em uma crise econômica muito forte, e o presidente não teve muitas políticas para os mais pobres. Ai, de repente, na reta final da eleição, tem vários benefícios. Então isso pode muito bem soar para o eleitorado como algo eleitoreiro”, diz Alberto Carlos Almeida.

Como os benefícios começam a ser pagos neste mês, ainda é cedo para avaliar o quanto devem influenciar nas pesquisas de intenção de voto nos próximos meses. “Alguma mudança pode trazer sim. Mas não acho que altera o cenário geral, que é de favoritismo do Lula”, diz o cientista político.

Ainda que o programa de transferência de renda tenha sido criado no governo Bolsonaro, Lula ainda tem vantagem sobre os eleitores beneficiários do Auxílio Brasil. Uma nova rodada de pesquisa do instituto Ipec, divulgada na noite de segunda (15), revelou que o petista tem 52% das intenções de voto entre aqueles que recebem o auxílio ou moram com alguém que recebe. Bolsonaro tem 27%.

Os dois candidatos parecem dispostos a disputar por essa parcela da população. Ambos têm prometido tornar o benefício de R$ 600 permanente no ano que vem.

Fonte: IG ECONOMIA

Comentários Facebook
Continue Reading

Policial

Política MT

Mato Grosso

Nacional

Entretenimento

Tecnologia

Mais Lidas