Connect with us

Mato Grosso

Professor da rede estadual e artista plástico se divide entre sala de aula e ateliê

Publicado em

O professor de história da rede estadual Wender Carlos Cardoso Nascimento divide seu tempo entre as salas de aula e as artes plásticas. Enquanto ensina os estudantes das turmas dos oitavos e nonos anos da Escola Estatual Alcebíades Calháo, em Cuiabá, também se dedica a retratar a cultura mato-grossense da forma mais simples e ingênua em suas telas.

Ele está entre os nove artistas que representam Mato Grosso na 14ª edição da Bienal Naif do Brasil, que ocorre no Sesc Piracicaba, em São Paulo, até o dia 25 de novembro.

Formado em Licenciatura Plena em História, pelo Centro Universitário de Várzea Grande (Univag), com especialização em Metodologia do Ensino da História e da Geografia, o profissional está na unidade escolar desde 2016, mas também atuou na EE Vanil Stabilito, em Várzea Grande. É servidor concursado do estado desde 2012.

Como artista plástico, atua desde 1992, participando de diversas exposições pelo Brasil e até fora do país, ganhou diversas premiações em salões de arte em Mato Grosso e fora do Estado. 

“Comecei a pintar quadros em 1992, aos 11 anos, quando conheci o projeto Ateliê Livre da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), com o artista Nilson Pimenta”, conta Wender, destacando que ambos moravam no bairro Pedregal e que Nilson levava os jovens da região para aprender a pintar.

O Ateliê Livre era coordenado por Pimenta e Dalva de Barros, em um espaço próximo ao zoológico, dentro do campus da universidade.

Anos depois, ele conheceu sua esposa Ester Fontes Nascimento, que fazia graduação em artes e o incentivou a continuar produzindo, percebendo seu potencial artístico. “Ela teve grande importância para a construção da minha carreira. Se ela não me incentivasse, eu já teria parado”, destaca.

Sobre sua arte, ele diz que gosta de focar nas questões ligadas ao social de Cuiabá, algo ligado à pesca, ao garimpo, aos objetos de Cuiabá. “O que remete ao regional. Antes era uma vida mais simples, não tinha esse movimento de carros. Então, são cenas que eram comuns do cotidiano em primeiro plano e com traços simples”, destaca.

Sala de aula

Wender lembra que escolheu ser professor por influência acadêmica na faculdade de história. Com exemplos de   bons professores, começou a se apaixonar pela profissão e pensar em um dia se tornar um mestre.

“O professor tem vários mecanismos para influenciar na vida dos estudantes. Uma das coisas é sempre diversificar suas aulas, na forma metodológica que atraem os alunos. Por exemplo, aula que possa fazer com que o aluno seja o agente da história e da geografia, no seu bairro, sua comunidade, e ele sendo o protagonista o transformador do seu meio vivido. Podemos utilizar, a cultura, como dança regional, a pintura artística da região – conhecendo os artistas locais, etc.”, avalia.

Na escola, desenvolve projetos, juntamente com seus colegas, como Feira de Ciências, Projeto de Ambientalização e Preservação do Meio Ambiente, que é permanente o ano todo, Educomunicação e Africanidade, além do projeto Ler Mato Grosso, que envolve todas as disciplinas, continuo e interativo, entre outros.

Com relação às artes, ele diz que é importante que os estudantes conheçam os artistas que fazem parte da cultura e da arte de Mato Grosso, até mesmo pode influenciar aqueles que tem habilidade e dom da arte. “É preciso que eles conheçam museus, galerias de artes e que lancem um olhar diferenciado quando se deparam com as artes nas ruas da cidade de Cuiabá e outros lugares que forem”.

O destaque alcançado pelo professor no cenário das artes plásticas tem despertado interesse dos estudantes. “No início, quando eles souberam que eu iria participar da Bienal ficaram muito curiosos. Perguntavam qual é o meu estilo de pintura, o que é arte Naíf, etc.”

De acordo com ele, a importância é sublime para qualquer artista pelo fato de participar de um grande evento da arte brasileiro, que reúne os melhores artistas selecionados pelos grandes críticos do Brasil.

“Além disso, foi editado um livro para a divulgação da exposição e dos trabalhos, que é visto por muitas pessoas que gostam da arte e colecionadores”, comemora.  

Sobre o futuro, o professor artista diz que quer continuar divulgando o seu trabalho, participar de exposições em lugares diferentes. “E, acima de tudo, continuar trabalhando para formação de estudantes de escolas e na formação de novos talentos que irão surgir nesta trajetória. A arte contribui para uma visão mais ampla de mundo e é uma forma de comunicar, uma maneira de expressão, de abrir horizontes e, nesse sentido, salva”, finaliza.

Comentários Facebook
Advertisement

Mato Grosso

Balanço inclui prisão em flagrante e diversos materiais apreendidos

Published

on

Contratos de compra e venda, nove aparelhos celulares, documentos timbrados da Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) e material artesanal para atear fogo foram alguns dos itens apreendidos na Operação Jomeri, realizada no sábado (13) na região de Colniza. Foi efetivado também Auto de Prisão em Flagrante Delito por posse de arma de fogo e munições. Dos sete mandados de buscas e apreensões expedidos, quatro foram cumpridos com êxito.

A operação foi um desdobramento da ação fiscalizatória realizada no dia 05 de agosto. A iniciativa foi desenvolvida de forma conjunta pelo Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco Ambiental), Promotoria de Justiça de Colniza, Delegacia Especializada do Meio Ambiente (Dema), Delegacia Regional de Juína, Delegacia Municipal de Colniza, Grupo de Operações Especiais (GOE), Batalhão de Proteção Ambiental da Polícia Militar e Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema).

As instituições envolvidas na operação acreditam que o trabalho de repressão realizado na região foi primordial para que o “Dia do Fogo” não ocorresse. Levantamentos promovidos pelas equipes de inteligência sinalizavam para uma mobilização em larga escala.

Até 11 de agosto, dois dias antes da operação, o Corpo de Bombeiros Militar, por meio do Batalhão de Emergências Ambientais, e a Guarnição de Polícia Militar Ambiental da PMMT, já haviam expedido cinco autos de inspeção, cinco autos de infração e cinco relatórios técnicos na região. Cinco propriedades foram multadas por destruição com uso de fogo de aproximadamente nove mil hectares, totalizando R$ 122 milhões.

Além das medidas de busca e apreensão, o Ministério Público do Estado de Mato Grosso instaurou dezenas de procedimentos de natureza cível, buscando a reparação socioambiental pela degradação já ocorrida. O valor total das indenizações é de R$ 421.731.922,05.

Desde a notícia de que ocupantes de uma das fazendas da região promoveriam incêndio criminoso na área, a Sema, por meio da Superintendência de Fiscalização e o Núcleo de Inteligência, Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental e Batalhão de Emergências Ambientais do Corpo de Bombeiros Militar, posicionaram suas equipes na área de forma ostensiva a prevenir e impedir a ação dos infratores, bem como identificar as pessoas ligadas à incitação lesiva ao meio ambiente. Já foram lavrados 18 autos de infração pela prática de desmate ilegal, que correspondem a 50% do desmate para o município de Colniza.

De 08 a 12 de agosto, o Batalhão de Polícia Militar de Proteção Ambiental aplicou em quatro pontos da região multas de R$ 200 mil por quebra de embargo e de R$ 450 mil por desmate ilegal, totalizando R$ 650 mil. Ao todo, foram fiscalizados oito alertas.

Em Mato Grosso, o uso do fogo está proibido desde o dia 1º de julho e a vedação segue até o dia 30 de outubro.

Fonte: MP MT

Comentários Facebook
Continue Reading

Policial

Política MT

Mato Grosso

Nacional

Entretenimento

Tecnologia

Mais Lidas