conecte-se conosco


Economia

Procon alerta sobre cuidados com a compra de roupas pela internet

Publicado

computador arrow-options
Shuttersock

Para o Procon, o caminho mais seguro é optar por lojas com boa reputação para evitar o golpe

É no fim do ano que o comércio se aquece e oferece aos clientes as famosas promoções , especialmente quando se trata de roupas para o fim do ano. Com a tecnologia dos aplicativos, a praticidade de comprar nem sair de casa já é uma realidade, ainda mais quando os preços oferecidos no universo do online compensam mais do que os vistos nas lojas físicas.

Apesar de preços mais atrativos para alguns consumidores, alguns cuidados ainda são necessários durante a pesquisa nos sites com descontos . É preciso se certificar de que o barato não saia mais caro posteriormente.

Blusas na promoção , calças pela metade do preço e combo de descontos que enche os olhos do cliente. Para evitar fraude, o Procon do Rio de Janeiro indica que o cliente precisa se certificar sobre os valores anunciados pelos sites e o que é cobrado no carrinho da compra.

O órgão também indica a necessidade de desconfiar de lojas online com preços muito abaixo do comercializado no mercado. Para o Procon, o caminho mais seguro é optar por lojas com boa reputação para evitar o golpe.

Em entrevista ao site EXTRA , a diretora de fiscalização do Procon Carioca, Elisa Freitas, explicou que no caso de roupas, as peças precisam ter as especificações de cor e tamanho, como largura e comprimento, explícitas.

Ela também garantiu que o consumidor tem até sete dias após a compra ou o recebimento do produto para se arrepender do negócio. Não há necessidade de justificar o cancelamento: basta providenciar a devolução da peça para ser ressarcido da quantia paga.

Já sobre a política de trocas online, é preciso saber qual posicionamento da loja. Segundo Elisa Freitas, os estabelecimentos não têm obrigação de trocar, a não ser por algum defeito de fabricação. O prazo, nesses casos, é de 30 dias depois da compra.

Para reclamações por descumprimento das normas do Código de Defesa do Consumidor (CDC), os consumidores podem entrar em contato com o órgão nos postos de atendimento presencial, pelo site, pelo aplicativo “Procon RJ” ou pelo telefone 151.

Comentários Facebook
publicidade

Economia

Dólar fecha abaixo de R$ 5,10 pela primeira vez em duas semanas

Publicado


source

Agência Brasil

dolares arrow-options
MARCELLO CASAL JR./AGÊNCIA BRASIL

Dólar fecha abaixo de R$ 5,10

Em reação à desaceleração de casos do novo coronavírus em diversos países da Europa e em algumas regiões norte-americanas, o dólar caiu para o menor nível em duas semanas. A bolsa de valores caiu depois de três altas seguidas, mas fechou a semana com alta de 12%. Mesmo assim, o dólar comercial encerrou a quinta-feira (9) vendido a R$ 5,091, com recuo de R$ 0,053 (-1,02%). 

A moeda chegou a operar em alta nos primeiros minutos de negociação, mas reverteu a tendência ainda durante a manhã. Na mínima do dia, por volta das 12h, a cotação chegou a atingir R$ 5,05. A cotação está no menor nível desde 26 de março, quando tinha fechado em R$ 4,996.

O Banco Central (BC) interveio no mercado. A autoridade monetária não vendeu dólares das reservas internacionais hoje, mas leiloou US$ 297 milhões em contratos de swap cambial, que equivalem à venda de dólares no mercado futuro. Em 2020, o dólar comercial acumula alta de 26,85%.

Veja:  Bolsonaro reivindica autoria do auxílio emergencial

Bolsa de valores

Depois de três dias seguidos de alta, o índice Ibovespa, da B3 (bolsa de valores brasileira), fechou o dia aos 77.682 pontos, com recuo de 1,2%. Mesmo assim, o índice acumula valorização de 12% na semana.

Há várias semanas, os mercados financeiros em todo o planeta atravessam um período de nervosismo por causa da recessão global provocada pelo agravamento da pandemia de coronavírus. As interrupções na atividade econômica associadas à restrição de atividades sociais travam a produção e o consumo, provocando instabilidades.

Petróleo

A bolsa subiu durante quase todo o dia, mas reverteu a tendência depois do fim da reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep). Os países fecharam um acordo para reduzir a produção global em 10 milhões de barris por dia em maio e junho. No entanto, dúvidas se países de fora da Opep também reduzirão a produção fizeram diversas bolsas internacionais cair.

A guerra de preços de petróleo começou há cerca de um mês, quando Arábia Saudita e Rússia aumentaram a produção, mesmo com os preços caindo por causa da baixa demanda provocada pela pandemia. Na semana passada, a cotação do barril do tipo Brent chegou a operar próxima de US$ 20, no menor nível em 18 anos. Segundo a Petrobras, a extração do petróleo na camada pré-sal só é viável para cotações a partir de US$ 45.

Por volta das 18h30, o Brent era vendido a US$ 31,99, com recuo de 2,59%. As ações da Petrobras, as mais negociadas na bolsa, também caíram. Os papéis ordinários (com direito a voto em assembleia de acionistas) desvalorizaram-se 3,66% nesta quinta. Os papéis preferenciais (com preferência na distribuição de dividendos) recuaram 2,89%.

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política MT

Mato Grosso

Nacional

Entretenimento

Tecnologia

Mais Lidas