conecte-se conosco


Agro Veracidade

Portaria define regras para cota de importação de etanol sem tarifa

Publicado

Portaria do Ministério da Economia, publicada nesta segunda-feira (21), define a divisão da cota de importação de etanol pelo Brasil, mantendo o limite de 750 milhões de litros ao ano. Na safra de etanol no Nordeste, de 31 de agosto de 2019 a 29 de fevereiro de 2020, poderão serão importados no máximo 200 milhões de litros com alíquota zero.

Na entressafra, serão duas cotas de 275 milhões: de 1º de março de 2020 a 31 de maio de 2020 e de 1º de junho de 2020 a 30 de agosto de 2020. O estabelecimento de cotas menores na safra nordestina foi negociado pela ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina.

Durante as negociações, a ministra se reuniu com o setor sucroalcooleiro. Também falou por telefone com o secretário da Agricultura dos Estados Unidos, Sonny Perdue. De acordo com dados de 2018, 99,7% das importações brasileiras de etanol vêm dos Estados Unidos.

Atualmente, o imposto de importação para o etanol é de 20%, mas a tarifa só é cobrada se o país ultrapassar a cota. Dentro do limite, a tarifa é zero para qualquer país. 

Leia mais:  Rebanhos de bovinos e bubalinos devem ser vacinados a partir desta sexta-feira contra febre aftosa

A cota de importação anterior era de 600 milhões de litros de etanol por ano. O limite de 750 milhões foi estabelecido em agosto passado, com validade de 12 meses.

Informações à imprensaCoordenação-Geral de Comunicação
[email protected]

Fonte: MAPA GOV
Comentários Facebook
publicidade

Agro Veracidade

Aprosoja alerta produtores sobre a importância da análise de fertilizantes

Publicado

por

Sustentabilidade

Aprosoja alerta produtores sobre a importância da análise de fertilizantes

O resultado final do CT soja será finalizado em março de 2020

12/11/2019

A Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja-MT) faz um alerta aos produtores rurais quanto a importância de efetuar a análise dos fertilizantes aplicados na lavoura. A preocupação surgiu da verificação das amostras desses insumos, coletadas durante o projeto Circuito Tecnológico Etapa Soja, que percorreu as quatro regiões do Estado este ano.

Em sua 11ª edição, resultados parciais do CT Soja demonstram a reprovação de 31,9% das amostras de fertilizantes coletados e encaminhados para análise em laboratórios credenciados. “Essa pesquisa é de suma importância para o produtor. E serve para alertá-los a fazerem sua própria análise também, a confiarem a laboratórios credenciados e acreditados pela Embrapa e o Ministério da Agricultura”, pontuou o diretor administrativo da Aprosoja-MT, Lucas Costa Beber.

Gerente Sustentabilidade Socioambiental da Aprosoja Mato Grosso, Marlene Lima, orienta que os produtores que tiveram problemas com fertilizantes devem procurar a empresa fornecedora e cobrar os devidos esclarecimentos. “Até por se tratar de direito do consumidor. Temos casos de produtores que tiveram problemas com fertilizantes, como resultados muito aquém do esperado, eles reclamaram e foram ressarcidos pela empresa fornecedora”, orientou.

Leia mais:  Lei do Alimento Mais Seguro: é preciso banir fake news e buscar informação

Amostras – As amostras são coletadas nas fazendas do Estado pelos supervisores de projetos da entidade. São analisadas em laboratórios que tem tradição em análise química de fertilizantes. Posteriormente o resultado da análise é comparado com a garantia informada pelo fabricante, onde é feito um laudo, realizado por um consultor técnico independente (contratado pela Aprosoja-MT), com vasta experiência em fertilizantes. Neste laudo ele avalia cada amostra individualmente e considera todos os nutrientes informados da garantia pelo fabricante.

Marlene Lima lembra ainda que é importante informar que “para fazer o laudo, o consultor considera a legislação vigente a qual os fertilizantes fazem parte, que é regida pelo Ministério da Agricultura, onde a lei destaca que, para um fertilizante ‘não conforme’ (reprovado), há uma tolerância entre o valor encontrado na análise química e o valor da garantia dada pelo fabricante”.

Circuito Tecnológico – Idealizado para realizar um raio-x em quesitos técnicos, estruturais, de gestão da propriedade, de mão de obra e quesitos legais, o Circuito Tecnológico Etapas Soja e Milho garantem a melhoria contínua dos sistemas produtivos e das ações das entidades da classe dos produtores rurais.

Leia mais:  Portaria regulamenta fiscalização com cães e cria centro de treinamento

A expedição pode identificar demandas de novos projetos ou mesmo reiterar demandas já conhecidas do agricultor, como a fiscalização da qualidade das sementes de soja e a de fertilizantes e estimativa de safra. Com os dados dos questionários compilados e as análises de amostras de sementes e fertilizantes coletadas em campo, é gerado relatórios, notícias, apresentação dos resultados em reuniões e informações ao produtor rural.

Iniciado em julho de 2019, o 11º Circuito Tecnológico Etapa Soja, até o momento recolheu 668 amostras de fertilizantes, foram 623 laudos prontos e enviados, e ainda, foram entregues ao produtor via whatsApp, o parecer técnico mais o laudo das análises. Foram 66 municípios participantes e 386 propriedades. O resultado final desta etapa deve ser finalizado em março de 2020.

 

Fonte: Ascom Aprosoja

Assessoria de Comunicação

Contatos: Telefone: 65 3644-4215 Email: [email protected]

Fonte: APROSOJA
Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política MT

Mato Grosso

Nacional

Entretenimento

Tecnologia

Mais Lidas