Connect with us

Nacional

Polícia investiga se morte de travesti foi motivada por extremismo político

Publicado em


Travesti assassinada no centro de São Paulo pode ter sido vítima de perseguição política; testemunhas ouviram gritos de
Reprodução

Travesti assassinada no centro de São Paulo pode ter sido vítima de perseguição política; testemunhas ouviram gritos de “Bolsonaro” na cena do crime

O crime que deixou uma travesti assassinada na região do Largo do Arouche, no centro da capital paulista, é investigado pelo 3º Distrito Policial de São Paulo. A Secretaria de Segurança Pública (SSP) fez a perícia no local do crime onde começaram as agressões. Há indícios de que a morte tenha sido provocada por intolerância política e divergências ideológicas.

Leia também: Apoiadores de Bolsonaro agridem estudante com garrafadas em Curitiba

A SSP não informou se crime de ódio ou homicídio relacionado a brigas políticas são linhas de investigação do caso. Testemunhas disseram ter ouvido os agressores gritarem palavras em apoio ao candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro, após abandonarem na rua o corpo da travesti assassinada
. O caso ocorreu na madrugada de terça (16).

“Eu ouvi uma briga, gritos de xingamento. Vários gritos de agressão contra a identidade travesti da vítima. E também um que ficou muito claro na minha cabeça: que ‘v…’ tem que morrer. Bolsonaro
era citado algumas vezes durante essa gritaria”, relatou um morador dos prédios da região.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, são ouvidas testemunhas e feitas diligências para localizar imagens de câmeras de segurança que possam identificar os autores do crime. A testemunha disse que a vítima ainda não foi identificada por causa dos ferimentos e também pela ausência de documentos.

“ONGs [organizações não governamentais] estão indo lá no IML [Instituto Médico Legal] para ver se é alguém que tenha passado por atendimento. È muito comum travestis serem enterradas como indigente.”

Uma funcionária do Hotel San Raphael, localização no Largo do Arouche, disse que a vítima chegou cambaleando sozinha até a porta do edifício. Contou ainda que ela estava machucada em decorrência de golpes a facada na cabeça e no rosto.

Leia também: TSE proíbe que Bolsonaro e apoiadores usem ‘kit gay’ para atacar Haddad

A morte de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais
(LGBTs) cresceu 30% em 2017 na comparação com o ano anterior, segundo levantamento do Grupo Gay da Bahia (GGB), divulgado em janeiro.

Foram registrados 445 mortes motivadas por homofobia no ano passado. O monitoramento anual é feito há 38 anos. A pesquisa da GGB mostra também que 56% dos episódios ocorreram em vias públicas e que a prática mais comum com travestis é o assassinato na rua a tiros ou por espancamento.

A Secretaria da Justiça e Defesa da Cidadania condenou cinco jovens acusados de agressões por discriminação homofóbica, ocorrida na Avenida Paulista, em 2010. Cada um deles foi condenado a pagar uma multa de 1 mil Unidades Fiscais do Estado de São Paulo (Ufesps) – o que corresponde a R$ 25,7 mil. 

Leia também: Mestre de capoeira é assassinado na Bahia após declarar voto em Haddad

Como no caso recente da travesti assassinada
, na madrugada de 14 de novembro de 2010, cinco jovens protagonizaram cenas de violência por discriminação homofóbica. Em uma delas, um rapaz foi agredido violentamente em seu rosto com bastões de lâmpada fluorescente, além de ter sofrido ataques com socos e chutes. 

* Com Agência Brasil

Comentários Facebook
Advertisement

Nacional

Morte de Marcelo Arruda: policial penal usará tornozeleira eletrônica

Published

on

José da Rocha Guaranho, atirador bolsonarista
Reprodução – 11/07/2022

José da Rocha Guaranho, atirador bolsonarista

O policial penal federal Jorge José da Rocha Guaranho , de 38 anos, vai ficar em prisão domiciliar e será monitorado por tornozeleira eletrônica. A decisão do juiz Gustavo Germano Francisco Arguello foi publicada na noite desta quarta-feira e atende ao pedido da defesa do acusado. Guaranho é réu por homicídio qualificado pela morte do dirigente petista Marcelo Arruda, em 10 de julho.

Guaranho havia deixado o Hospital Ministro Costa Cavalcanti, em Foz do Iguaçu, no final da tarde desta quarta-feira, após receber alta.

Na última quinta-feira, Guaranho chegou a ter um primeiro pedido rejeitado pelo Judiciário. Na ocasião, seus advogados pediram pela revogação de sua prisão preventiva ou a conversão dela em domiciliar, mas o magistrado alegou que a conversão para a domiciliar seria possível caso o agente penal estivesse ‘extremamente debilitado por motivo de doença grave’.

O magistrado, no entanto, mudou seu posicionamento após receber ofício da direção do Complexo Médico Penal (CMP). O documento afirmava que o “CMP não reúne no atual momento as condições estruturais, técnicas e de pessoal, necessárias para prestar o atendimento necessário para manutenção da vida dele, sem expô-lo a grave risco”.

Arguello sustentou, em sua decisão, que o cenário exposto pelo CMP impediu a manutenção da prisão preventiva após a alta hospitalar.

“Assim, considerando a peculiar situação que envolve o requerente e a incapacidade estatal de conferir ao preso a devida assistência médica durante a prisão cautelar, mister se faz a substituição da prisão preventiva pela prisão domiciliar”, escreveu o magistrado.

O agente penal José Guaranho matou a tiros o guarda municipal e petista Marcelo Arruda, que comemorava seu aniversário de 50 anos, na madrugada de 10 de julho. Ex-candidato a vice-prefeito na chapa do PT de 2020 em Foz do Iguaçu (PR), Arruda fazia uma festa com tema do seu próprio partido quando foi alvejado por Guaranho, na sede da Associação Esportiva Saúde Física Itaipu.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Nacional

Comentários Facebook
Continue Reading

Policial

Política MT

Mato Grosso

Nacional

Entretenimento

Tecnologia

Mais Lidas