conecte-se conosco


Policial

Polícia Civil esclarece latrocínio de advogado e cumpre ordens judiciais contra líder de grupo que planejou o crime

Publicado


Raquel Teixeira/Polícia Civil-MT

A Polícia Civil cumpriu nesta sexta-feira (17.09), em Rondonópolis, mandados judiciais de busca e apreensão contra um contador, de 53 anos, investigado como líder do grupo criminoso que cometeu diversos roubos na região sul, entre eles o que terminou com o latrocínio do advogado João Anaídes Cabral Netto, 49 anos, ocorrido no mês de julho deste ano, em Juscimeira.

O cumprimento dos mandados judiciais faz parte da Operação Flor do Vale, conduzida pela Delegacia da Polícia Civil de Juscimeira, cujo inquérito apurou as circunstâncias e identificou os envolvidos no crime ocorrido no dia 17 de julho em um condomínio de chácaras, em Juscimeira, que vitimou o advogado João Anaídes. O contador está com mandado de prisão decretado pelo juízo da Comarca de Juscimeira e encontra-se foragido.

De acordo com o delegado Ricardo de Oliveira Franco, as provas produzidas e indícios reunidos no inquérito demonstram a liderança do contador no planejamento e execução de diversos crimes patrimoniais ocorridos na região. Ele planejava, apontava e indicava aos comparsas do grupo criminoso os lugares para executar os roubos, entre eles o que ocorreu no condomínio de chácaras onde três propriedades foram alvos do grupo e em uma o advogado foi morto.

O contador tem uma chácara no mesmo condomínio onde ocorreu o latrocínio e na data ele estava na propriedade, onde aguardava a conclusão do roubo, se passando por vítima.

Três dos criminosos identificados na investigação do latrocínio já estão presos. Um deles é funcionário do contador. A investigação identificou ainda a participação dele, do patrão e de outros dois em outro roubo cometido também contra um advogado, em dezembro do ano passado, quando foi levado um veículo BMW da vítima, no mesmo condomínio de chácaras em Juscimeira onde João Anaídes foi morto. Na ocasião, o contador estava presente no local do roubo e se passou por vítima.

O delegado Ricardo Franco informou ainda que no decorrer da apuração para esclarecer o latrocínio, a Polícia Civil chegou a outros dois crimes cometidos pelo mesmo grupo criminoso. Um ocorreu em Cuiabá e outro foi executado no mês de abril deste ano, em Juscimeira.

“É uma organização criminosa que conseguimos desmantelar, com a identificação de todos os envolvidos e a prisão de alguns deles. Os demais estão com os mandados expedidos e que tentaremos cumprir”, esclareceu o delegado responsável pelas investigações.

A Operação Flor do Vale contou com apoio da Delegacia Regional de Rondonópolis.

Latrocínio

As investigações identificaram o envolvimento de oito pessoas no latrocínio do advogado, sendo que três delas já estão presas.

O grupo invadiu o condomínio de chácaras Flor do Vale, roubou algumas propriedades e na última delas, em que estava a vítima, amarrou as pessoas que estavam na casa. O advogado João Anaides e mais uma vítima do assalto foram amarradas separadamente em um banheiro. Os suspeitos começaram a subtrair objetos pessoais das vítimas e logo em seguida foi ouvido um disparo de arma de fogo vindo do banheiro.

A vítima que estava trancada no banheiro junto com o advogado relatou que um dos suspeitos arrombou a porta e efetuou um disparo na cabeça de João Anaides. Após o disparo, os criminosos fugiram do local levando duas camionetes, uma delas, do advogado.

Fonte: PJC MT

Comentários Facebook
publicidade

Policial

Cinco postos de combustíveis da Capital passam por fiscalização após denúncias de consumidores

Publicado


Camila Molina/Polícia Civil-MT

A Polícia Civil, por meio da Delegacia Especializada de Defesa do Consumidor (Decon), e o Instituto de Pesos e Medidas do Estado de Mato Grosso (Ipem-MT), fiscalizaram cinco postos de combustível de Cuiabá, em ação realizada nesta terça-feira (26.10).

A ação conjunta teve como alvo postos que foram denunciados por consumidores que suspeitaram da quantidade do combustível que abasteceram em seus veículos, e coincide com a entrada em vigor do aumento nos preços da gasolina e do óleo diesel anunciado pela Petrobras.

Durante a operação, foi analisada a vazão em dezenas de bicos e de bombas de combustível. Somente uma bomba de um posto, localizado no Bairro Parque Cuiabá, na Capital, foi reprovada por entregar 80ml a menos de combustível a cada 20 litros abastecidos pelo consumidor.

A bomba reprovada foi lacrada e o posto foi autuado pelo Ipem. A Polícia Civil vai investigar os fatos para verificar se houve adulteração dolosa da vazão, ou erro causado por problemas mecânicos ou pelas intemperes do clima.

O delegado da Decon, Rogério Ferreira, destacou que durante a ação também foi verificado se os postos fiscalizados estavam se aproveitando dos sucessivos aumentos nos preços dos combustíveis nas distribuidoras para praticar aumentos abusivos contra os consumidores.

Se for comprovada a adulteração dolosa da vazão do bico reprovado, ou a prática de aumento abusivo de preços, os responsáveis legais pelos postos irão responder por crime contra a economia popular com até dois anos de prisão, e se for verificado a comercialização de combustível adulterado, os suspeitos responderão por crime contra as relações de consumo com pena que pode chegar aos 5 anos de prisão e multa.

Todas as denúncias encaminhadas à Polícia Civil, ao Ipem, Procon Estadual e Municipal e à Agência Nacional do Petróleo – ANP são investigadas, e os postos continuarão sendo fiscalizados constantemente em Cuiabá e em toda a região metropolitana da Capital.

Fonte: PJC MT

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política MT

Mato Grosso

Nacional

Entretenimento

Tecnologia

Mais Lidas