conecte-se conosco


Policia Federal

PF combate fraudes em contratos de TI em órgãos federais

Publicado

Brasília/DF – A Polícia Federal deflagrou, com o apoio da Controladoria-Geral da União – CGU, nesta terça-feira (19/11) a Operação Vaporware, destinada a apurar irregularidades na execução de contrato para aquisição de ferramenta de gestão de contratos.

Estão sendo cumpridos 11 mandados de busca e apreensão em empresas de TI, residência de empresários, servidores e ex-servidores públicos, no Distrito Federal e em São Paulo. Além disso, a Justiça Federal do DF deferiu diversas medidas cautelares, como o afastamento de servidores da função pública, impedimento de empresas de licitar e contratar com o poder público e bloqueio de bens e valores.

O referido contrato tem origem na adesão a uma Ata de Registro de Preços – ARP. Essa ata também originou adesões por outros órgãos e entidades federais e de outras esferas, abrangendo recursos da ordem de cerca de R$ 71 milhões.

Conforme apontado pela CGU as irregularidades encontradas se repetiram em outros órgãos contratantes, além disso, a ata, que permitiu as adesões posteriores, teria sido direcionada para favorecer a empresa investigada. O prejuízo já apurado supera R$ 27 milhões, podendo chegar a mais de R$ 70 milhões.

Os envolvidos responderão pelos crimes de fraude em licitação, peculato, corrupção passiva e tráfico de influência.

O termo Vaporware se refere a um software ou hardware que é anunciado por um desenvolvedor, mas que nunca é lançado ou efetivamente desenvolvido.

 

Leia mais:  Operação Xeque-Mate III investiga organização criminosa responsável por fraudes em contratos de coleta de lixo na PB

 

 

Comunicação Social da Polícia Federal no Distrito Federal

Contato: (61) 2024-7557

[email protected]

Fonte: Polícia Federal
Comentários Facebook
publicidade

Policia Federal

PF combate o compartilhamento de pornografia infantil na internet

Publicado

por

Curitiba/PR – A Polícia Federal deflagrou nesta quinta-feira (5/12) a Operação Olho da Rede, com o objetivo de identificar materiais relacionados à posse, ao compartilhamento e à produção de imagens de pornografia infantil, com foco no Paraná.. Estão sendo cumpridos 10 mandados e busca e apreensão nas cidades de Curitiba (4), Quatro Barras (1), Morretes (1), Matinhos (1), Apucarana (1) e Rolândia (2). Os mandados foram expedidos pela Justiça Federal em Curitiba, Londrina, Paranaguá e Foz do Iguaçu e

Esta é uma operação complexa que, desde o dia 25/11, já cumpriu 17 mandados de busca e apreensão e um mandado de prisão preventiva, sendo que os sete anteriores foram cumpridos em: Curitiba (2), São José dos Pinhais (1), Campina Grande do Sul (1), Foz do Iguaçu (2) e Ponta Grossa (1).

Durante o cumprimento das medidas no dia de hoje, foram realizadas três prisões em flagrante por posse de pornografia infantil: Curitiba (2), Quatro Barras (1). E, desde o dia 25/11, houve mais dois flagrantes: Ponta Grossa (1) e Curitiba (1).

Foi cumprido, ainda, um mandado de prisão preventiva expedido em desfavor de um indivíduo residente na cidade de São José dos Pinhais, que já havia sido preso em flagrante em duas oportunidades anteriores por delitos dessa natureza.

Leia mais:  Operação Vertex combate crimes de corrupção passiva, lavagem de capitais e organização criminosa

A pena para o armazenamento de pornografia infantil é de 2 a 4 anos de reclusão; para o compartilhamento, de 3 a 6 anos de reclusão; para a produção das imagens, de 4 a 8 anos de reclusão; e, para o crime de estupro de vulnerável, a pena é de 8 a 15 anos de reclusão.

Em todos os casos as investigações seguem em andamento em busca da identificação de outras pessoas envolvidas na rede de crimes, como os abusadores e produtores de imagens, mas principalmente das vítimas a serem resgatadas.

Comunicação Social da Polícia Federal em Curitiba/PR
[email protected]
Contato: (41) 3251-7809
99242-5543

Fonte: Polícia Federal
Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política MT

Mato Grosso

Nacional

Entretenimento

Tecnologia

Mais Lidas