conecte-se conosco


Saúde

Ministro da Saúde acredita que Brasil terá vacina contra a dengue em um ano

Publicado

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, está otimista em relação aos avanços do Brasil na luta contra a dengue. Em uma visita a Niterói, no estado do Rio de Janeiro, ele comentou sobre uma nova frente de ação no controle da doença e também falou da expectativa de uma vacina contra a dengue

vacina arrow-options
shutterstock

Ministério da Saúde tem expectativa alta em relação a uma vacina contra a dengue em larga escala


Leia também: Ressurgimento da dengue tipo 2 em São Paulo preocupa autoridades do estado

“Temos uma expectativa boa, sou otimista em relação à vacina. Ela está indo muito bem, tem marcado só gol e está na última fase pré-licença em vários continentes. A gente acha que nessa época, para o verão do próximo ano, já vai contar com essa vacina, dose única, para os quatro vírus e 90% de bloqueio”, afirmou o ministro.

A vacina está sendo elaborada pelo Instituto Butantan. Mandetta também disse que o instituto já fechou uma parceria com a farmacêutica americana Merck Sharp and Dhome e já está construindo a fábrica para as vacinas .

“Os cientistas já viram que a vacina é extremamente eficaz ou não estariam construindo uma fábrica. Mas ficam (sem vacinas) a  zika  e a chicungunha . Por isso, precisamos de várias frentes: vacina, Wolbachia, educação da população e ações de vigilância epidemiológica”, explicou.

Leia mais:  Vai para a praia no final do ano? Saiba como prevenir e tratar a insolação

O Instituto Butantan informou, em nota, que “embora a fase de ensaios clínicos de nossa vacina da dengue esteja bastante avançada, ainda não é possível precisar uma data para que ela seja disponibilizada para a população. No cenário mais otimista, a vacina poderá ficar pronta em 2021, porém fatores que fogem ao nosso controle, como o número de casos de dengue na população, podem prolongar este prazo”.

Cerca de 17 mil pessoas de 16 centros de todo o país foram vacinadas em 2016, um terço com placebo. Essas pessoas devem ser monitoradas por 5 anos, prazo que deve vencer em 2021. Depois, o estudo é submetido à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) solicitando registro. Com ele, a vacina começa a ser produzida em larga escala e fica disponível para comercialização.   

Leia também: Conheça 11 mitos sobre a dengue

Nova frente contra dengue, zika e chicungunha  

mosquito da dengue arrow-options
Shutterstock/Divulgação

Uma ação proposta é liberar, em diversas cidades do Brasil, mosquitos infectados que diminuiriam a transmissão de doenças

Leia mais:  Veja os oito principais cuidados na contratação do seu cartão de saúde

Para atacar além da dengue as demais doenças, o ministro falou de uma outra ação. Trata-se da liberação de mosquitos  Aedes aegypti infectados com a bactéria Wolbachia, que reduz a capacidade dos insetos de transmitir dengue, chicungunha e zika .

A Wolbachia está naturalmente presente na maioria dos insetos, mas não é encontrada nos  Aedes aegypti .

O método Wolbachia  reduziu em 75% os casos de chicungunha em 33 bairros na região de Niterói. O ministério não tem informação sobre a evolução dos casos de dengue e zika sob o método.

As primeiras liberações dos mosquitos infectados ocorreram em 2015 nos bairros de Jurujuba, em Niterói, e Tubiacanga, na Ilha do Governador. Em 2016 a ação foi ampliada em larga escala na cidade e, em 2017, no município do Rio.

Leia também: Estudo brasileiro permite identificar dengue hemorrágica precocemente

Além do Brasil, também desenvolvem ações do programa países como Austrália, Colômbia, Índia, Indonésia, Sri Lanka e Vietnã.

No próximo ano haverá soltura em Campo Grande (MS), Petrolina (PE) e Belo Horizonte (MG) e haverá nova expansão ainda em 2020 para Fortaleza (CE), Foz do Iguaçu (PR) e Manaus (AM).

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook
publicidade

Saúde

Ter sempre um remédio na bolsa pode ser prejudicial. Entenda os riscos

Publicado

por

O hábito de sair com uma pequena farmácia na bolsa – para evitar aquela dor de cabeça no trabalho ou um enjoo repentino, se sentir mais seguro ou até mesmo ajudar os colegas que estão doentes – é um hábito comum entre brasileiros.

Leia mais: 11 sinais de que sua dor de cabeça é uma enxaqueca

remédios arrow-options
Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Automedicação é mais comum contra dores de cabeça e febres

O costume de ter sempre um remédio à mão, porém, indica o risco de automedicação e pode oferecer riscos sérios para a saúde.

De acordo com  Instituto de Ciência, Tecnologia e Qualidade (ICTQ), no Brasil, 79% das pessoas com mais de 16 anos admitem tomar medicamentos sem prescrição médica ou farmacêutica. A pesquisa ainda aponta que, destes, 56% são remédios para dor de cabeça e 32% para combater a febre. 

Leia mais: Misturar remédios naturais com drogas comuns pode ser prejudicial, diz estudo

“Diversos medicamentos podem causar dependência . Se o medicamento “tratar” determinado problema, uma dor de cabeça por exemplo, toda vez que ela aparecer, esse medicamento será lembrado e o uso pode ser abusivo, gerando efeitos colaterais”, explica Alessandra Bongiovani, Mestre em Saúde do Adulto. 

Leia mais:  Não é só doença de criança: sarampo em adultos também traz riscos à saúde

E o enorme perigo está nos medicamentos considerados “cotidianos”, cuja automedicação parece não oferecer riscos. “Todo medicamento tem efeitos colaterais, um dos mais perigosos, são os anti-inflamatórios , inclusive alguns têm venda proibida em determinados países”, alerta Alessandra. “Eles podem provocar desde uma gastrite, até úlceras gastroduodenais e não incomum, hemorragias digestivas, que são potencialmente graves”. 

Outro hábito comum – e desaconselhado pelos profissionais de saúde – é o costume de acumular muitos remédios em casa “para alguma necessidade”. Em geral, eles são sobras de outros tratamentos ou compras sem prescrição. “Seria ideal que a indústria farmacêutica se preocupasse com isso também, produzindo cartelas menores de determinados medicamentos”, comenta Alessandra.

Leia mais: Cientistas criam cápsulas anti HIV que substitui tratamento diário por semanal

“O correto é armazenar os medicamentos de forma organizada, separando os medicamentos para adultos e crianças, e sempre deixar em local de difícil acesso para as crianças e idosos”, orienta a profissional. “Estes últimos são uma preocupação a parte, pois é muito comum a automedicação e seus efeitos nocivos”, diz. 

Leia mais:  Homem de 28 anos sofre derrame após estalar o pescoço dentro de casa nos EUA

Fonte: IG Saúde
Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política MT

Mato Grosso

Nacional

Entretenimento

Tecnologia

Mais Lidas