conecte-se conosco


Política Nacional

Mesmo se PEC passar, prisão em 2ª instância pode ser barrada novamente no STF

Publicado

source

IstoÉ

STF dará a palavra final sobre a prisão em 2ª instância arrow-options
Agência Brasil

STF dará a palavra final sobre a prisão em 2ª instância


O poeta e compositor Vinicius de Moraes, em uma de suas letras sempre geniais, pergunta a Deus: “se é pra desfazer, por que é que fez?”. O Supremo Tribunal Federal não é Deus, nem o seu presidente, ministro Dias Toffoli. Mas vale a iNdagação: se era para encaminhar ao Poder Legislativo a questão da prisão em segunda instância, por que a Corte fez tantas sessões em plenário sobre esse tema?

O STF e Toffoli, que deu o voto de desempate a favor da prisão somente a partir do trânsito em julgado, na verdade acertaram em transferir a decisão final a deputados e senadores, legítimos na função legiferante — afinal, o assunto tem de ser definido por legislação e não por determinação da Justiça. Mas no Congresso Nacional, por maior que seja a boa vontade dos parlamentares, há um nó jurídico quase impossível de ser desatado.

Senado e Câmara, para voltarem com a prisão em segunda instância, têm de emendar a Constituição, uma vez que ela fixa que o encarceramento só se dará após transitar em julgado a sentença penal condenatória — ou seja, quando exauridos todos os recursos. Agora, o nó: a Carta Magna estabelece como cláusula pétrea a presunção de não culpabilidade. O primeiro ponto, o do trânsito em julgado, e o segundo, o da presunção de não culpabilidade, estão embutidos um no outro: artigo 5º da Constituição, inciso LVII. É impossível constitucionalmente separá-los, colocando a reclusão no segundo grau de jurisdição (que então passaria a ser o trânsito em julgado), sem agredir gravemente a presunção de não culpabilidade (chamada por alguns juristas de presunção de inocência).

Leia mais:  Em busca de aproximação com Bolsonaro, Crivella presta solidariedade a Flávio

Por ser cláusula pétrea, tal direito fundamental não pode ser “encurtado”.

Uma possibilidade de atenuar esse choque no interior do próprio texto constitucional é extinguir os recursos especial e extraordinário, substituindo-os por recursos revisionais. Trazer-se-ia, também nessa hipótese, o cumprimento da pena para a segunda instância, mas se manteria a presunção de inocência de forma bastante heterodoxa, dotando tais ações revisionais com o poder de alterar no Superior Tribunal de Justiça e no STF a decisão de segunda instância — algo bem similar à PEC 15/2011, proposta pelo ex-ministro Cezar Peluso, que visava a introduzir o recurso rescisório às cortes superiores para antecipar o trânsito em julgado à dupla jurisdição.

É um trânsito em julgado meio que acanhado, que não mais se traduz pelo esgotamento de todos os recursos, uma vez que caberiam ainda o rescisório ou o revisional.

É constitucionalmente impossível separar o trânsito em julgado da presunção de inocência

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
publicidade

Política Nacional

Damares: “Canal vaginal de menina de 12 anos não está pronto para ser possuído”

Publicado

por

source

A ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves, que defende a abstinência sexual para prevenir gravidez precoce na adolescência, disse ao jornal Folha de São Paulo que se silencia caso fique provado que uma menina de 12 anos está pronta para ser possuída todo dia por um homem. 

Leia também: Campanha do governo federal pela abstinência sexual começa em fevereiro

Damares Alves arrow-options
Divulgação/Presidência da República

Damares Alves


Leia também: Damares critica ataques a filho de Thammy e repara: “ele está de azul” 

A ministra Damares Alves, que é pastora e evangélica, sustenta que não mistura assuntos de Estado e religião.  O governo está lançando uma nova campanha estimulando o início do prorrogamento da vida sexual do público de 10 a 18 anos para evitar a gravidez na adolescência. 

“O argumento que eu estou buscando é: uma menina de 12 anos não está pronta para ser possuída. Se vocês me provarem, cientificamente, que o canal de vagina de uma menina de 12 anos está pronto para ser possuído todo dia por um homem, eu paro agora de falar”,  afirmou à coluna Painel.

Leia mais:  Em busca de aproximação com Bolsonaro, Crivella presta solidariedade a Flávio

Leia também: ‘Acredito em príncipe encantado’, diz Damares Alves sobre busca por marido

A ministra Damares Alves ainda disse que, se levarem “um abaixo-assinado com 1 milhão de assinaturas de pais de adolescentes contra a proposta”, ela “para de falar”.

Fonte: IG Política
Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política MT

Mato Grosso

Nacional

Entretenimento

Tecnologia

Mais Lidas