Connect with us

Agro Veracidade

Mais de 300 pessoas prestigiam 1ª Feira de Negócios Armazena MT

Publicado em

Política Agrícola

Mais de 300 pessoas prestigiam 1ª Feira de Negócios Armazena MT

Evento da Aprosoja reuniu os elos da cadeia da armazenagem para discutir soluções para o agronegócio


27/08/2018

Produtores rurais, instituições financeiras e empresas se reuniram na quinta (23) para momento de debate e negócios sobre um tema importante tem Mato Grosso: a armazenagem de grãos. Durante a 1ª Feira de Negócios Armazena MT, organizada pela Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja) e que reuniu cerca de 300 pessoas, houve a oportunidade de troca de experiências, dirimir dúvidas sobre financiamento e prospectar negócios.

 

“Por meio deste evento, tentamos reduzir o déficit de armazenagem em Mato Grosso. Queremos mostrar ao produtor rural que há juros diferenciados para armazéns até 6 mil toneladas, através do Programa de Construção e Ampliação de Armazéns (PCA) e, ainda, fazê-lo compreender que é preciso armazenar sua produção. São muitos ganhos, como menor custo de frete, ganhos com padronização do produto e, como consequência, maior lucratividade”, afirma Antonio Galvan, presidente da Aprosoja.

 

O produtor rural Regis Porazzi, de Tapurah, está construindo um armazém na propriedade e a logística foi um dos motivos. “A fazenda fica a uns 40 quilômetros dos armazéns mais próximos e, além da logística, também acredito ter rentabilidade de 5% a 10% tendo o produto ‘em casa’. É um armazém de 50 mil sacas, estamos em fase de obras e, na colheita da soja, devemos estar operando”, conta.

 

Porazzi acredita que a falta de conhecimento é o que impede o agricultor de investir em armazenagem e, por isso, o evento da Aprosoja é tão importante. “Todos os colegas que consultei antes de investir estavam satisfeitos com a construção do armazém. Então, acho que é uma saída que vai agregar dentro da fazenda. Antes, investíamos no aumento de área, agora chegou a hora de verticalizar”, afirma.

 

A burocracia, muitas vezes, amedronta o produtor rural e faz com que ele se afaste do investimento em armazenagem própria ou em condomínio. Para o Consultor de Negócios Central Sicredi Centro Norte Cuiabá, Osvaldo Fioravante Biazi, isso é algo que deve ser superado. “O Sicredi conhece as particularidades de cada região e precisamos desmistificar o acesso ao credito. Viemos aqui para mostrar quais os documentos que precisa e o check list. Temos ainda o conceito de que tudo ainda é difícil, mas hoje temos que quebrar essa barreira, entender qual é o papel de cada um. E este evento é fantástico para isso”, diz.

 

Para um investimento seguro, o produtor rural precisa também estar com a documentação em ordem no Corpo de Bombeiros e na Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema). O capitão do Corpo de Bombeiros Lucas Souza Chermont explica que a corporação tem o papel de fiscalização e também de fazer o licenciamento para operação. “Temos que verificar o projeto de segurança contra incêndio e, posteriormente, fazer a fiscalização com relação a execução destas medidas de segurança elencadas pelo profissional. Aí, sim, faremos a emissão do Alvará de Segurança”, afirma.

 

O produtor rural tem reclamações sobre a burocracia na Secretaria de Meio Ambiente. A Superintendente do Licenciamento da Sema, Márcia Cleia Vilela dos Santos, informa que atualmente os processos estão mais simples. O licenciamento já pode ser feito nos municípios que foram descentralizados, e nos outros municípios podem ser feitos na secretaria ou nas Unidades Desconcentradas da Sema. “O licenciamento depende muito da área, então eu acho que o que falta e que vamos discutir é como este licenciamento está sendo feito, que tipo de documento é protocolado nas secretarias para o licenciamento. Então falta esse alinhamento na qualidade do documento que é apresentado para a Sema”, afirma.

 

As empresas de armazenagem veem o evento como oportunidade para oferecer soluções para o produtor rural. “Estamos bastante otimistas com o mercado em Mato Grosso, que está crescendo safra após safra. O agricultor está carente desta infraestrutura em armazenagem devido às condições de logística e nós podemos fornecer com tecnologia e rapidez este produto”, diz Gilberto dos Santos, representante da região Sul e Vale do Araguaia da GSI.

 

 

Fonte: Ascom Aprosoja


Assessoria de Comunicação

Contatos: Telefone: 65 3644-4215

Email: [email protected]

Comentários Facebook
Advertisement

Agro Veracidade

BOI/CEPEA: Preço médio da carne bovina é o menor desde out/19

Published

on

Cepea, 11/08/2022 – O preço médio da carne bovina (carcaça casada), negociada no mercado atacadista da Grande São Paulo, está em R$ 20,20/kg na parcial de agosto (até o dia 9), conforme apontam dados do Cepa. Essa média é 2,13% inferior à de julho deste ano, 7,74% abaixo da de agosto/21 e, também, a menor, em termos reais, desde outubro de 2019, quando esteve em R$ 17,95/kg (os valores médios mensais foram deflacionados pelo IGP-DI). Segundo pesquisadores do Cepea, a oferta de animais para abate seguiu baixa ao longo deste ano e as exportações, aquecidas. Assim, o cenário de desvalorização da carne está atrelado ao baixo consumo da proteína bovina no mercado brasileiro, devido ao fragilizado poder de compra da população nacional, sobretudo em decorrência da elevada inflação. No acumulado deste ano (entre dezembro/21 e a parcial de agosto/22), a carcaça casada bovina registra desvalorização de 8,31%, em termos reais. Fonte: Cepea (www.cepea.esalq.usp.br)

Fonte: CEPEA

Comentários Facebook
Continue Reading

Policial

Política MT

Mato Grosso

Nacional

Entretenimento

Tecnologia

Mais Lidas