conecte-se conosco


Agro Veracidade

Lei do Alimento Mais Seguro: é preciso banir fake news e buscar informação

Publicado

Fortalecimento Institucional

Lei do Alimento Mais Seguro: é preciso banir fake news e buscar informação

Aprosoja leva recado a estudantes de 14 cidades durante Circuito Universitário


Ascom Aprosoja

31/10/2018

A popularização da internet, aliada à tecnologia dos celulares, trouxe avanços inegáveis. Notícias, dados científicos e redes sociais estão a um clique. O problema, no entanto, é que esta mesma popularização trouxe, também, a era das “fake news”, notícias muitas vezes falsas ou retiradas de seus contextos que as tornam polêmicas e/ou mentirosas. 
 
Nenhuma área ou setor escapa das fake news e não seria diferente com o agronegócio. Exatamente por isso, neste ano a Associação dos Produtores de Soja e Milho de Mato Grosso (Aprosoja) resolveu definir como tema do Circuito Aprosoja Universitário a “Lei do Alimento Mais Seguro: mitos e verdades”. 
 
O tema diz respeito ao Projeto de Lei (PL) 3200/2015, que tem como objetivo principal atualizar a legislação quando o tema é defensivo agrícola, já que a lei em vigor é de 1989. O problema, no entanto, é que as repercussões do PL na mídia tradicional e nas redes sociais nem sempre são verdadeiras. O projeto, inclusive, é chamado por ambientalistas de “PL do Veneno”. 
 
“Chamado erroneamente. Para combater as fake news nós usamos algo bem simples: a luz da ciência. Durante as palestras nós estamos mostrando a importância da tecnologia e quais são os critérios técnicos que usamos para avaliar a segurança dos defensivos agrícolas. Muitas vezes as coisas que são ditas sobre o tema são ditas de forma equivocada, ideológica, por pessoas que são contra o agronegócio e contra o capitalismo”, disse um dos palestrantes, o engenheiro agrônomo e diretor executivo da Aprosoja Brasil, Fabrício Rosa. 
 
Fabrício ainda afirma que ao falar com o público jovem, talvez essa propagação de fake news possa ter um novo cenário. “O Circuito Universitário é importante porque conseguimos discutir com esses alunos, que serão futuros formadores de opinião e profissionais da área, informações mais qualificadas para que eles consigam, inclusive, rebater as notícias falsas tanto nas mídias sociais, onde eles têm contato com essas notícias, quanto na própria comunidade onde estão inseridos”, completa. 
 
Professor e associado da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq) da Universidade de São Paulo (Usp), José Otávio Menten também rebate durante sua palestra as fake news amplamente divulgadas, como a de que o brasileiro ingere cinco litros de agrotóxicos por ano e, com isso, o Brasil seria o líder mundial neste consumo. 
 
“A primeira dica para que as fake news sejam rebatidas é: usem números verdadeiros. Falar em cinco litros por habitante por ano é errado. O que a gente usa é muito menos e, se a gente for falar só em termos de ingrediente ativo, que é a molécula biologicamente ativa que pode causar algum efeito, esse número está em torno de dois litros por habitante. Só que essa maneira de indicar não tem significado nenhum, porque ninguém aplica pesticida ou produto fitossanitário nas pessoas. Isso é aplicado nas plantações”, diz Menten. 
 
O professor também afirma que a matemática utilizada por quem propaga as informações falsas está errada. “É preciso exprimir essa utilização em termos da quantidade de produto por área cultivada ou pela produção de alimentos que saem dessas áreas. Essas são as maneiras técnicas e adequadas de nós expressarmos o que é consumo. Fazendo cálculos corretos, nós vamos ver que o Brasil cai pra sétimo, para 13º ou pra 51º lugares, dependendo da técnica que está sendo utilizada e é isso que a gente tem que levar de informação. O que é inaceitável é que pessoas que não são do ramo se colocam comunicando coisas que não são verdadeiras. Eu acredito que é o nosso setor do agro que tem que ser a referência. Somos nós que trabalhamos, que geramos dados confiáveis e somos nós que temos que falar para a sociedade o que é verdade e demonstrar que estamos sempre em busca de aprimoramento”, finaliza. 
 
Locais e datas – O Circuito Aprosoja Universitário deste ano passa ainda por 13 cidades de Mato Grosso. Confira aqui datas e locais. 
 

Fonte: Ascom Aprosoja


Assessoria de Comunicação

Contatos: Telefone: 65 3644-4215

Email: [email protected]

Comentários Facebook
publicidade

Agro Veracidade

CAFÉ/CEPEA: Com safra 2022/23 ainda incerta, opiniões de agentes divergem

Publicado


Cepea, 26/01/2022 – Agentes consultados pelo Cepea têm opiniões divergentes quanto à produção de café da temporada 2022/23. A Conab indicou, em sua primeira estimativa, que a produção de arábica deve totalizar 38,7 milhões de sacas de 60 kg, aumento de 23,4% em relação à 2021/22. Apesar do avanço, que se deve à bienalidade positiva dos cafezais, o potencial produtivo esperado não deve ser atingido, por conta dos problemas climáticos nos últimos meses. Uma parte dos colaboradores do Cepea acredita que a produção nacional deve ser inferior ao indicado pela Conab, devido à alta taxa de abortamento das flores nos cafezais, por conta da seca e das geadas. Outros agentes, por sua vez, afirmam que o bom volume de chuvas desde dezembro, que vem auxiliando na condição das lavouras e no enchimento dos grãos, pode elevar o rendimento da safra 2022/23. Para esses agentes, o volume colhido na próxima temporada pode se aproximar do projetado pela Companhia. Fonte: Cepea (www.cepea.esalq.usp.br)

Fonte: CEPEA

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política MT

Mato Grosso

Nacional

Entretenimento

Tecnologia

Mais Lidas