Connect with us

Política Nacional

Gleisi pede ao TSE agilidade na tramitação de ação do PT contra Bolsonaro

Publicado em


Para Gleisi Hoffmann, 'caixa dois de Bolsonaro' foi “uma boca de urna digital feita em grandes proporções
Reprodução/Twitter

Para Gleisi Hoffmann, ‘caixa dois de Bolsonaro’ foi “uma boca de urna digital feita em grandes proporções

A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, reuniu-se nesta sexta-feira (19) com a presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministra Rosa Weber, a quem pediu a aplicação de medidas cautelares urgentes para investigar notícias de que empresas em prol do presidenciável do PSL, Jair Bolsonaro, estariam pagando por serviços de disparos de mensagens em massa contra o partido e seu candidato à Presidência, Fernando Haddad, via WhatsApp, no chamado ‘caixa dois de Bolsonaro’
.

“Precisamos de uma atuação urgente quanto a isso, porque é verdadeiramente uma fraude do processo eleitoral”, disse Gleisi Hoffman sobre o ‘ caixa dois de Bolsonaro
‘. O encontro durou aproximadamente uma hora e 30 minutos na sede do TSE, em Brasília. Também participaram do encontro o presidente do PSOL, Juliano Medeiros, e representantes de PCdoB, Pros e PCB.

Para a presidente do PT, o que houve no primeiro turno foi “uma boca de urna digital feita em grandes proporções que mudou o resultado da eleição praticamente no dia da votação”. Ela acrescentou que acionará a Organização dos Estados Americanos (OEA) para que acompanhem mais de perto a lisura do processo eleitoral brasileiro.

De acordo com a reportagem do jornal  Folha de S.Paulo
, ao menos quatro empresas foram contratadas, a preços que chegam a R$ 12 milhões, para disparar mensagens para eleitores de bancos de dados do próprio candidato do PSL e também bancos externos – prática que é vedada pela Justiça Eleitoral.

Na quinta-feira (18), a coligação O Povo Feliz de Novo, que congrega PT, PCdoB e Pros em torno da candidatura de Fernando Haddad
, recorreu ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE)
para pedir a investigação. 

Os autores da ação distribuída ao corregedor-geral Eleitoral, ministro Jorge Mussi, alegam que há “fortes indícios” de que foram comprados pacotes de disparos em massa de mensagens contra o Partido dos Trabalhadores pelo WhatsApp.

Os advogados da coligação O Povo Feliz de Novo alegam que a prática pode configurar três crimes: doação de pessoa jurídica, utilização de perfis falsos para propaganda eleitoral e compra irregular de cadastros de usuários. “Isso demonstra nítida prática de abuso de poder econômico para causar desequilíbrio nas eleições”, diz o PT
, em nota.

“Salta aos olhos a postura completamente suspeita da candidatura de Bolsonaro que, ao invés de buscar qualquer espécie de impedimento da disseminação destas mentiras e boatos, principalmente junto ao WhatsApp
, vai a público reclamar dos limites impostos pelo mencionado aplicativo de mensagens instantâneas que visam impedir a divulgação astronômica de desinformação”, diz a peça levada ao TSE. O documento é assinado por um corpo de juristas encabeçado pelo advogado Eugênio José Guilherme de Aragão, ex-ministro da Justiça.

O Ministério Público Eleitoral (MPE) já informou que vai apurar a suspeita de ‘ caixa dois de Bolsonaro
‘. Pelo menos dois pedidos de investigação foram protocolados na Procuradoria-Geral Eleitoral (PGE). A expectativa é que outras representações sejam apresentadas diretamente ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Comentários Facebook
Advertisement

Política Nacional

Evento com Lula é cancelado por causa de segurança

Published

on

Lula não participará de evento em São Bernardo do Campo
Ricardo Streck

Lula não participará de evento em São Bernardo do Campo

Nesta segunda-feira (15), a campanha Luiz Inácio Lula da Silva (PT) cancelou a participação do ex-presidente na fábrica da Volkswagen do Brasil, que ocorreria na terça (16), em São Bernardo do Campo (SP). Sem o petista, a organização resolveu suspender o evento.

Segundo a assessoria do líder nas pesquisas, “o evento da fábrica de manhã foi cancelado por falta de tempo hábil de execução dos procedimentos de verificação de segurança”, no entanto, “a campanha começa na atividade da tarde, em São Bernardo do Campo”.

A partir de amanhã, o ex-presidente inicia oficialmente sua campanha eleitoral à Presidência da República. A escolha de São Bernardo do Campo não é por acaso. Em 1968, ele se filiou ao Sindicato de Metalúrgicos de São Bernardo do Campo e Diadema, iniciando sua trajetória política.

Popular entre os sindicalistas, Lula se tornou um líder e conseguiu esteve envolvido nas Diretas Já e, em 1986, foi eleito deputado federal com a maior votação da Câmara Federal até então. Em 1989, 1994 e 1998 foi candidato a presidente, mas acabou sendo derrotado.

Em 2002, conseguiu ser eleito e, quatro anos depois, foi reeleito. Em 2010, indicou Dilma Rousseff para ser sua sucessora, obtendo sucesso. Com o impeachment da ex-presidente, ele se colocou como candidato em 2018, só que acabou sendo impedido por estar preso.

Com as anulações e absolvições, Lula se tornou elegível novamente e agora aparece na primeira colocação nas pesquisas de intenções de votos.

Além de iniciar a campanha em São Bernardo do Campo, o antigo chefe do executivo federal também  participará da posse do ministro Alexandre de Moraes como presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo. Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
Continue Reading

Policial

Política MT

Mato Grosso

Nacional

Entretenimento

Tecnologia

Mais Lidas