conecte-se conosco


Política Nacional

Falas de Lula sobre Ortega incomodam, mas não devem ser entrave para alianças

Publicado


source
Falas de Lula sobre Ortega incomodam, mas não devem ser entrave para alianças
Reprodução

Falas de Lula sobre Ortega incomodam, mas não devem ser entrave para alianças

Criticada reservadamente até por petistas, a declaração do  ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre a reeleição do ditador Daniel Ortega, na Nicarágua, incomodou interlocutores de outros campos políticos, mas não deve ser um entrave para aproximações com vistas à disputa eleitoral do ano que vem.

Parlamentares do PT reconhecem que a frase de Lula ao jornal espanhol “El País”, em que ele compara o tempo de permanência de Ortega no poder ao da chanceler alemã Angela Merkel, foi um “tropeço infeliz”, ainda mais diante da boa imagem deixada pelo seu giro pela Europa na semana passada.

Uma liderança de um partido que discute aliança com o PT avalia que a declaração é uma consequência do excesso de confiança motivada pelo bom desempenho nas pesquisas, mas será “irrelevante” na formação de seu palanque.

Já o entorno do ex-governador Geraldo Alckmin, que deve sair do PSDB e vem trocando gentilezas públicas com Lula, recebeu a fala do petista com espanto. Embora preguem respeito ao petista e entendam que a atuação do presidente Jair Bolsonaro leve a união mesmo daqueles que têm diferenças programáticas, aliados do ex-governador acreditam que a fala do petista foi um erro que só confirma a proximidade de gestões petistas anteriores com ditaduras de esquerda.

Alckmin tem evitado dizer se aceitaria ou não uma eventual vice de Lula, embora tenha dado sinalizações positivas em declarações públicas e inclusive chegou a agradecer a lembrança. No entanto, pessoas próximas ao ex-governador acreditam que ele esteja mais empenhado em voltar a disputar o governo de São Paulo e só aguarda a decisão das prévias tucanas para deixar o partido.

Dentro do PT, a avaliação é que houve desgaste inicial nas redes sociais com o episódio, mas que depois foi atenuado com a divulgação do trecho completo da entrevista ao “El País”. No trecho que o partido divulgou, antes de comparar o tempo no poder de Ortega ao de Merkel, Lula faz uma ressalva que “todo político que começa a se achar imprescindível e insubstituível começa a virar um pequeno ditador”.

O ex-juiz Sergio Moro, pré-candidato a presidente pelo Podemos, usou parte da declaração dada pelo petista para criticá-lo nas redes sociais.

Leia Também

Leia Também

O cientista político Cláudio Couto, professor da FGV, afirma que a declaração de Lula sobre a Nicarágua não é um fato isolado na história do ex-presidente.

“Não chega a ser surpreendente se a gente considera as declarações históricas do próprio Lula e do PT de modo geral sobre esse tema”.

Leia Também

Ao longo das últimas décadas, o PT e Lula tiveram proximidade com os regimes de Fidel Castro em Cuba e de Hugo Chávez na Venezuela. Em julho, por exemplo, o ex-presidente minimizou os protestos que aconteciam na ilha caribenha e disse que o país “poderia ser uma Holanda” se não enfrentasse o embargo econômico dos Estados Unidos.

Couto avalia que a linha adotada pode prejudicar o ex-presidente em seu embate político com o presidente Jair Bolsonaro.

“Quando tem uma liderança política que está se colocando como alternativa democrática a um líder autoritário, que é Bolsonaro, e envereda por uma ambiguidade desse tipo, isso produz desconfiança. Não porque o PT seja uma ameaça democrática, mas simbolicamente é uma situação complicada”.

O cientista político entende que o PT, para se contrapor à acusação de que apoia ditaduras, vai precisar se esforçar para mostrar que durante o período que esteve no poder não ameaçou a democracia. Ele também vê a necessidade de melhorar o discurso em relação aos regimes da Nicarágua, Venezuela e Cuba.

“Mas não acredito nessa segunda possibilidade. É um fetiche e ninguém lida muito facilmente com fetiche. Vão ficar presos a isso durante muito tempo ainda”.

Comentários Facebook
publicidade

Política Nacional

Lula diz que não decidiu se concorrerá à presidência e cita relação com Alckmin

Publicado


source
Lula diz que não decidiu se concorrerá à presidência e cita relação com Alckmin
Reprodução

Lula diz que não decidiu se concorrerá à presidência e cita relação com Alckmin

ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou na manhã desta terça-feira (30), em entrevista à Rádio Gaúcha, sobre as eleições presidenciais do próximo ano. Segunda o petista, ainda há uma indefinição quanto a sua candidatura na corrida ao Planalto em 2022.

A afirmação ocorreu após um comentário a respeito de uma possível aliança com o ex-governador de São Paulo, Geraldo Alckmin. O ex-metalúrgico aproveitou para citar uma “extraordinária relação” com o tucano enquanto ambos encontravam-se no poder federal e estadual, respectivamente.

“Quando fui presidente, tive uma extraordinária relação com Alckmin, [José] Serra, Yeda Crusius, [Germano] Rigotto. Eu não fazia diferença na minha relação com entes federados. Não queria saber de que partido era a pessoa”, afirmou Lula.

“Tive extraordinária relação com Alckmin, foi um governador responsável aqui em São Paulo. Ele está numa definição de partido, estamos em processo de conversar, vamos ver, se a hora que eu definir se sou candidato ou não, é possível construir uma aliança política. Primeiro preciso ver qual partido ele vai entrar, ele ainda não decidiu”, explicou o ex-presidente.


Segundo a jornalista Mônica Bergamo, Lula e Alckmin vão se encontrar nesta semana para discutir as dificuldades que o próximo governo presidencial terá. A preocupação do petista passa pela imagem brasileira no exterior e a principal pauta defendida pelo ex-governador seria o combate ao avanço da fome no Brasil.

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política MT

Mato Grosso

Nacional

Entretenimento

Tecnologia

Mais Lidas