Connect with us

Política Nacional

Ex-líder da Ku Klux Klan elogia Bolsonaro – que diz negar apoio de supremacistas

Publicado em


Líder nas pesquisas, Jair Bolsonaro passou a fazer campanha só pelas redes sociais após sofrer ataque a faca
Fernando Frazão/Agência Brasil – 13.10.18

Líder nas pesquisas, Jair Bolsonaro passou a fazer campanha só pelas redes sociais após sofrer ataque a faca

O historiador americano David Duke, reconhecido líder do grupo racista Ku Klux Klan (KKK) nos Estados Unidos, elogiou o candidato à Presidência do Brasil Jair Bolsonaro (PSL) durante programa de rádio comandado por ele. 

“Ele soa como nós. E também é um candidato muito forte. É um nacionalista”, disse o ex-líder do  Ku Klux Klan
, conforme reportado pela rede BBC
. “Ele é totalmente um descendente europeu. Ele se parece com qualquer homem branco nos EUA, em Portugal, Espanha ou Alemanha e França. E ele está falando sobre o desastre demográfico que existe no Brasil e a enorme criminalidade que existe ali, como por exemplo nos bairros negros do Rio de Janeiro”, continuou Duke.

O comentário provocou reação do próprio candidato do PSL, que publicou mensagem horas mais depois, na tarde desta terça-feira (16), para se distanciar de eventual suporte de integrantes do KKK.

“Recuso qualquer tipo de apoio vindo de grupos supremacistas. Sugiro que, por coerência, apoiem o candidato da esquerda, que adora segregar a sociedade”, escreveu Bolsonaro
em sua conta pessoal no Twitter, alfinetando seu adversário no segundo turno das eleições, Fernando Haddad (PT).

“Explorar isso para ingluenciar uma eleição no Brasil é uma grande burrice! É desconhecer o povo brasileiro, que é miscigenado”, concluiu o candidato do PSL.

A ligação entre Bolsonaro e o racismo é recorrente entre os críticos do ex-capitão do Exército. O presidenciável chegou até mesmo a ser denunciado pela Procuradoria-Geral da República (PGR) a denunciá-lo por cometer crime de racismo e de manifestação discriminatória contra quilombolas, indígenas, refugiados, mulheres e LGBTs. A denúncia acabou rejeitada no mês passado pela maioria dos ministros da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF). 

O Ku Klux Klan
é um grupo que defende a supremacia branca e atua nos Estados Unidos desde o século 19, sendo responsável por episódios de violência e até de tortura contra negros e judeus. Para esconder suas identidades, os integrantes do grupo vestem capuzes brancos, traje que se tornou tão conhecido quanto a própria atuação intolerante dos KKK.

Comentários Facebook
Advertisement

Política Nacional

STF determina remoção de vídeos onde Lula chama Bolsonaro de genocida

Published

on

Jair Bolsonaro e Lula
Foto: Alan Santos e Ricardo Stuckert

Jair Bolsonaro e Lula

O ministro Raul Araújo, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), atendeu a um pedido feito pelo PL, partido do presidente Jair Bolsonaro , e determinou a remoção de vídeos em que o ex-presidente e candidato Luiz Inácio Lula da Silva chama o presidente de “genocida”.

Na avaliação do ministro, “a palavra ou expressão “genocida” tem o sentido de qualificar pessoa que perpetra ou é responsável pelo extermínio ou destruição de grupo nacional, étnico, racial ou religioso”. Araújo lembra, na decisão, que “o genocídio é crime e está previsto na Lei no 2.889/1956, que foi recepcionada pela Constituição Federal de 1988”.

“Os participantes do processo eleitoral devem orientar suas condutas de forma a evitar discursos de ódio e discriminatório, bem como a propagação de mensagens falsas ou que possam caracterizar calúnia, injúria ou difamação”, disse Araújo.

Ao todo, a determinação para a remoção dos vídeos atinge sete vídeos que estão publicados no YouTube. A plataforma tem 24 horas para cumprir a ordem judicial.

Nos pedidos feitos ao TSE na última sexta-feira, o PL cita discursos de Lula em Brasília (em 12 de julho), Garanhuns-PE (20 de julho), Serra Talhada-PE (20 de julho), Recife (21 de julho), Fortaleza (30 de julho), Campina Grande-PB (2 de agosto) e Teresina (3 de agosto). Apenas em Fortaleza Lula não chamou Bolsonaro de genocida.

Para o ministro do TSE, “é plausível a tese” do partido de Bolsonaro “de que o trecho do discurso proferido pelo representado e pré-candidato Luiz Inácio Lula da Silva, durante evento no dia 20.7.2022, em Garanhuns/PE, primo ictu oculi, pode ter configurado o ilícito de propaganda eleitoral extemporânea negativa, por ofensa à honra e à imagem de outro pré- candidato ao cargo de presidente da República”.

De acordo com o PL, Lula “realizou verdadeiro discurso de ódio contra seu opositor, o que reforça a gravidade dos atos praticados e o reprovável desrespeito do pré-candidato petista ao cumprimento das normas eleitorais, em prejuízo daqueles que se portam conforme entendimento jurisprudencial sedimentado”.

“Não foram tecidas críticas políticas, naturais e idôneas, sobre posturas governamentais do mandatário maior do Brasil, típicas de um bom e saudável debate democrático! Bem longe disso! Fez-se imputação grosseira, rude e desinibida, individual e direta, de crime (!) de genocídio ao Presidente Jair Bolsonaro, responsabilizando-o, sem peias, por mortes em profusão”, diz trecho das representações.

Embora tenha determinado a remoção dos sete endereços onde as declarações de Lula sobre Bolsonaro aparecem, o ministro do TSE observa ser “viável a republicação dos vídeos” alvo da ação desde que “excluído o trecho em que se imputa o atributo de genocida”.

Entre no  canal do Último Segundo no Telegram e veja as principais notícias do dia no Brasil e no Mundo.  Siga também o  perfil geral do Portal iG.

Fonte: IG Política

Comentários Facebook
Continue Reading

Policial

Política MT

Mato Grosso

Nacional

Entretenimento

Tecnologia

Mais Lidas