conecte-se conosco


Economia

Brasil sobe 5 posições em ranking de inovação, mas ainda vai mal; confira

Publicado


source
País ocupa a 57ª posição
Reprodução

País ocupa a 57ª posição

Mesmo tendo uma base industrial diversificada, o Brasil ocupa a 57ª posição quando se trata de inovação, num ranking integrado por 132 nações. O país ganhou cinco posições no Índice Global de Inovação (IGI) deste ano na comparação com 2020, mas especialistas no tema alertam que a colocação brasileira ainda é considerada ruim.

Isso porque o país está dez posições abaixo da obtida em 2011, quando atingiu o 47º lugar, sua melhor marca desde que o índice começou a ser elaborado, em 2007. Na primeira posição aparece a Suíça, seguida pela Suécia e pelos Estados Unidos.

Para Gianna Sagazio, diretora de inovação da Confederação Nacional da Industria (CNI), a colocação brasileira é incompatível para um país que está entre as 20 maiores economias do mundo, e possui uma base empresarial sofisticada. 

“O Brasil deveria estar entre os 20 países mais inovadores do mundo. Pesquisas mostram que entre as nações mais inovadoras há um política robusta e de longo prazo de investimento em ciência, tecnologia e inovação, envolvendo o setor público, privado e as universidades. Falta prioridade no Brasil, já que inovação é considerada como gasto e não investimento”, disse Sagazio.

O ranking está sendo divulgado nesta segunda-feira pela Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI – WIPO, na sigla em inglês). No Brasil, a Confederação Nacional da indústria é a parceira para a produção e divulgação dos dados, através do Movimento Empresarial pela inovação (MEI), que tem como objetivo estimular a estratégia inovadora das empresas e ampliar as políticas de apoio à inovação.

A diretora de inovação da CNI observa que o Brasil possui uma base empresarial sofisticada e é preciso que avance cada vez mais em inovação para que sua indústria seja competitiva internacionalmente. Ela afirma que sem investimento em inovação muitas empresas correm o risco de desaparecer. Sagazio lembra que, durante a pandemia da Covid-19, a ciência, a tecnologia e a inovação foram fundamentais para o desenvolvimento rápido de vacinas. 

Base de dados  

O índice é uma base de dados importante para empresários, formuladores de políticas públicas e pesquisadores do tema, já que as métricas podem ser usadas para monitorar o desempenho de um país em inovação, comparando-o com economias da mesma região ou mesmo grupo de renda. 

Leia Também

Para chegar à posição de cada país no índice são analisados cinco quesitos: instituições, capital humano e pesquisa, infraestrutura, sofisticação de mercado e sofisticação empresarial, distribuídos em 81 indicadores. 

Entre os pontos negativos do Brasil, ainda estão as dificuldades para se abrir uma empresa, para obtenção de crédito e as altas taxas tarifárias cobradas. O país também tem dificuldades para a formação de capital bruto, que é o investimento em ativos que podem aumentar a capacidade produtiva da economia.  

Contraditoriamente, a retração do Produto Interno Bruto (PIB), no ano passado, foi um dos fatores que ajudaram o Brasil a ganhar posições no ranking. Com menos pessoas empregadas e uma economia contraída, o país teve a falsa impressão de aumento de produtividade no trabalho. Ainda assim, esse item foi considerado como ponto positivo na avaliação. 

O gasto com softwares, com o avanço da digitalização no ano passado, também ajudou o país a ganhar posições. A boa atuação das empresas mostrada por indicadores como produtos de alta tecnologia e valores recebidos por uso de propriedade intelectual foram itens que pesaram positivamente para o Brasil.

Entre 18 economias da América Latina e do Caribe, o Brasil ficou atrás do Chile (53º), do México (55º) e da Costa Rica (56º). Entre os países dos BRICS, o Brasil aparece em penúltimo, à frente apenas da África do Sul, que está em 61º lugar. A China é a 12º colocada, a Rússia está no 45º lugar e a Índia, no 46º. 

A maior parte dos dados analisados é referente a 2019. A diretora de inovação da CNI observa ainda que o Brasil possui dados desatualizados e em alguns quesitos analisados para o ranking nem produz os dados. O Brasil, por exemplo, não mede os gastos brutos com pesquisa e desenvolvimento por empresas e nem os gastos com pesquisa e desenvolvimento financiados com capital externo. Entre os dados desatualizados, está a oferta de treinamento formal das empresas a seus colaboradores. 

Os Top Dez da Inovação 

  • 1º – Suíça 
  • 2º – Suécia 
  • 3º – Estados Unidos 
  • 4º – Reino Unido 
  • 5º – Coreia do Sul 
  • 6º – Holanda 
  • 7º – Finlândia 
  • 8º – Cingapura 
  • 9º – Dinamarca 
  • 10º – Alemanha 

Países dos BRICS 

  • 12º – China 
  • 45º – Rússia 
  • 46º – Índia 
  • 57º – Brasil 
  • 61º – África do Sul 

Fonte:  Índice Global de Inovação (IGI)

Comentários Facebook
publicidade

Economia

Sem consenso, Câmara adia votação da PEC dos Precatórios

Publicado


source
Atraso preocupa governo, que depende do projeto para elevar Auxílio Brasil a R$ 400 e aumentar os repasses para emendas parlamentares no ano eleitoral
Redação 1Bilhão Educação Financeira

Atraso preocupa governo, que depende do projeto para elevar Auxílio Brasil a R$ 400 e aumentar os repasses para emendas parlamentares no ano eleitoral

Diante da dificuldade do governo de organizar a base, a Câmara adiou mais uma vez a análise da proposta de emenda à Constituição (PEC) que altera a regra do pagamento de  precatórios (dívidas judiciais da União).

Em dia conturbado, com intensas negociações e pressão de ministros do governo, o plenário da Casa sinalizou ao Palácio do Planalto que há incertezas sobre a aprovação do texto.

A PEC busca viabilizar a vitrine eleitoral para Jair Bolsonaro, ao permitir o pagamento de um  Auxílio Brasil de R$ 400 ao mais vulneráveis com a criação de um espaço para R$ 83 bilhões de gastos extras em 2022.

Uma das principais dificuldades para a votação da proposta foi causada pelo retorno presencial dos parlamentares.

Até o início da noite, como 60 parlamentares estavam ausentes, não houve segurança do governo se o texto seria aprovado. O presidente da Câmara e aliado do governo, Arthur Lira (PP-AL), tentou mobilizar os colegas desde a madrugada de terça-feira, mas não obteve sucesso.

Durante o dia, o relator, Hugo Motta (PP-PB), tentava costurar apoio com as bancadas. Após reunião com Lira, o ministro da Cidadania, João Roma, já demonstrava preocupação com a operacionalização do pagamento do auxílio.

“Já estamos com o cronograma bem apertado, começa me preocupar a operacionalização desse pagamento que envolve um bastidor muito grande, uma operação gigantesca para poder fazer chegar esse recurso a mais de 17 milhões de brasileiros necessitados”, disse.

Leia Também

Conta desfavorável

Durante a tarde, Roma recebeu do líder do governo na Casa, Ricardo Barros (PP-PR), uma projeção dos votos favoráveis à PEC. Na contabilidade de Barros, o governo teria 309 apoiadores, um voto a mais do que o necessário para a aprovação de uma emenda constitucional.

A conta era desfavorável ao Palácio do Planalto. Para se aprovar uma PEC, parlamentares geralmente contam com uma margem de segurança. Tentam angariar, no mínimo, 340 votos para não haver surpresas.

Com aval do governo, Motta fez várias modificações em relação à proposta original, que previa só o adiamento dos precatórios, limitando o pagamento a cerca de R$ 40 bilhões em 2022, do montante de R$ 89,1 bilhões para abrir um espaço no teto de gastos, que limita o crescimento das despesas à inflação.

O relatório da PEC aprovado da Comissão Especial enfrenta resistência de partidos da esquerda e de centro — o que dificulta a aprovação do texto no plenário, diante da exigência de quórum qualificado. Um dos problemas levantados pelo MDB é abrangência da proposta. Para a esquerda, o não pagamento integral dos precatórios. E para deputados de direta, a revisão do teto de gastos, que amplia os riscos fiscais.

O texto também autoriza o governo a descumprir a chama regra de ouro, que proíbe a União de emitir títulos para pagar despesas correntes, como folha de pagamentos, além de permitir parcelamento de dívidas previdenciárias de prefeituras.

Senado é mais favorável

O líder do MDB, deputado Isnaldo Bulhões Jr (AL), disse que a bancada defende uma solução para os precatórios, mas não se sente à vontade para aprovar a mudança no cálculo do teto de gastos. Ele também criticou a autorização para o governo gastar mais, infringindo a regra de ouro:

“Isso seria uma irresponsabilidade fiscal.”

Líderes de outras legendas, como DEM e Cidadania, disseram que ainda não têm uma posição fechada das bancadas. Nos bastidores, alguns parlamentares do PSDB e dessas legendas afirmam que votarão contra a PEC. O Novo fechou questão contra a proposta.

Se passar pela Câmara, o projeto deve ter uma tramitação rápida no Senado. Ontem, o presidente da casa, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), afirmou que considera levar a PEC dos Precatórios direto ao plenário.

Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política MT

Mato Grosso

Nacional

Entretenimento

Tecnologia

Mais Lidas