Connect with us

Economia

Brasil e Chile concluem negociações para acordo de livre comércio

Publicado em


Como primeira iniciativa proposta pelo novo acordo de livre comércio, Brasil e Chile se comprometem a eliminar a cobrança de roaming internacional entre os dois países
Alan Santos/PR

Como primeira iniciativa proposta pelo novo acordo de livre comércio, Brasil e Chile se comprometem a eliminar a cobrança de roaming internacional entre os dois países

Representantes do Brasil e Chile encerraram as rodadas de negociações para fechar o acordo de livre comércio entre os dois países. A expectativa é de que o futuro tratado seja assinado até dezembro e inclua 17 temas de natureza não tarifária que envolvem, dentre outros, o comércio eletrônico e de serviços, a propriedade intelectual e algumas medidas sanitárias e fitossanitárias.

Leia também: China cortará impostos para estimular empresas privadas e reaquecer economia

Como primeira iniciativa proposta pelo novo acordo de livre comércio
, Brasil e Chile se comprometem a eliminar a cobrança de roaming
(serviço que permite ligações em regiões fora de cobertura da operadora) internacional para dados e telefonia móvel entre os dois países.

É a primeira vez que o Brasil assume, em acordo bilateral, compromissos envolvendo comércio eletrônico, práticas regulatórias, transparência em anticorrupção, cadeias regionais e globais de valor, gênero, meio ambiente e assuntos trabalhistas.

O novo tratado com o Chile
incluirá os chamados “temas de natureza não tarifária”, como o comércio de serviços e de eletrônicos, telecomunicações, medidas sanitárias e fitossanitárias. A disposição é facilitar o comércio, a partir de questões sobre propriedade intelectual, por exemplo, envolvendo micro, pequenas e médias empresas.

Leia também: Tensões comerciais deixam estabilidade econômica global sob riscos, diz FMI

A expectativa é que a partir daí seja complementado o Acordo de Complementação Econômica entre o Mercosul
e o Chile, que estabeleceu a remoção das tarifas de importação ao comércio bilateral.

Negociações para o livre comércio

Ao todo, foram quatro rodadas de negociações, encerradas no último dia 19. O processo negociador foi iniciado durante visita do presidente chileno Sebastián Piñera a Brasília em abril deste ano.

Em nota, o Ministério das Relações Exteriores informou que o novo acordo contribuirá para impulsionar os fluxos de comércio e investimentos entre Brasil e Chile. “[O acordo] Constituirá, ao mesmo tempo, um vetor de aproximação entre o Mercosul e a Aliança do Pacífico e de reforço da integração regional”, completou o órgão brasileiro.

Relação Brasil-Chile

O Chile é o segundo principal parceiro comercial do Brasil na América do Sul. Em 2017, o intercâmbio comercial bilateral alcançou US$ 8,5 bilhões, o que representa incremento de 22% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Leia também: Sebastián Piñera assume presidência do Chile com promessa de fortalecer economia

De janeiro a setembro de 2018, antes mesmo do fim das negociações do acordo de livre comércio
, o intercâmbio comercial entre os dois países foi de US$ 7,21 bilhões, aumento de 13% em relação ao mesmo período de 2017. O Brasil também é o maior parceiro comercial do Chile na América Latina e principal destino dos investimentos chilenos no exterior, com estoque de US$ 31 bilhões.

*Com informações da Agência Brasil

Comentários Facebook
Advertisement

Economia

Uber vai acabar com o Rewards, seu programa de fidelidade

Published

on

O programa Rewards chegou ao Brasil em 2019
Giovanni Santa Rosa

O programa Rewards chegou ao Brasil em 2019

A Uber comunicou a usuários do aplicativo de transporte neste fim de semana que vai encerrar o seu programa de fidelidade, o Rewards, que chegou ao Brasil em 2019. A decisão, segundo a empresa, é global e não haverá um programa substituto, ao menos por enquanto.

O programa permitia a usuários da plataforma acumular pontos a cada corrida ou pedido (no caso do Uber Eats), os quais poderiam ser trocados por benefícios como descontos na própria plataforma ou em parceiros como serviços de streaming.

Neste sábado, usuários da plataforma no Brasil receberam um comunicado sobre o assunto. “Você tem até o dia 31 de agosto para acumular pontos. Depois dessa data, os benefícios atrelados aos níveis do programa também deixarão de existir.”

Segundo o comunicado, os pontos já acumulados poderão ser trocados por benefícios até 31 de outubro de 2022. Em 1º de novembro, o Uber Rewards será “totalmente encerrado”, segundo o anúncio. Os usuários podem visualizar seus pontos e resgatar seus benefícios na seção ‘Conta’ no app da Uber.

O fim do programa não ocorrerá apenas no Brasil, e sim em todas as operações da Uber no mundo. Segundo o site The Verge, usuários nos Estados Unidos também receberam comunicado semelhante. O encerramento do benefício ocorre após a plataforma realizar, no Brasil, pesquisas com usuários sobre a avaliação que faziam dos benefícios oferecidos. Por aqui, a plataforma enfrenta forte concorrência da 99, controlada pela chinesa Didi.

“No sábado, dia 13 de agosto, anunciamos aos nossos usuários que o Uber Rewards será encerrado em 1° de novembro. (…) Agradecemos aos nossos usuários pela fidelidade e por fazerem parte do Uber Rewards”, disse a Uber em nota.

No segundo semestre deste ano, a Uber teve, globalmente, um prejuízo de US$ 2,6 bilhões (R$ 13,2 bilhões no câmbio atual), ante lucro de US$ 1,14 bilhão registrado no mesmo período de 2021.

Apesar disso, e de buscar encerrar suas operações mais deficitárias (a exemplo da operação de delivery do Uber Eats no Brasil), a plataforma tem aumentado sua receita. O faturamento no segundo semestre deste ano foi de US$ 8,07 bilhões, o dobro do registrado de abril a junho de 2021.

Entre no canal do Brasil Econômico  no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia

Fonte: IG ECONOMIA

Comentários Facebook
Continue Reading

Policial

Política MT

Mato Grosso

Nacional

Entretenimento

Tecnologia

Mais Lidas