Connect with us

Tecnologia

Após falha de segurança, Google+ será desativado em agosto de 2019

Publicado em


A gigante da tecnologia planeja manter a plataforma funcionando apenas para empresas, que utilizam o Google+ para se relacionar com seus empregados
Reprodução

A gigante da tecnologia planeja manter a plataforma funcionando apenas para empresas, que utilizam o Google+ para se relacionar com seus empregados

Nesta segunda-feira (8), o Google anunciou que vai desativar a rede social Google+, pouco utilizada pelos brasileiros, nos próximos dez meses. A decisão é baseada na descoberta de uma falha de segurança – já contornada – responsável por vazar dados de cerca de 500 mil usuários da plataforma em março deste ano.

Leia também: Conheça o joguinho escondido do Google Chrome que já é sucesso no Brasil

As informações são do site norte-americano The Verge
. Em nota, segundo publicou o portal, o Google afirmou que a rede social tem pouco engajamento e que 90% das sessões de usuários no Google+
duram menos de cinco segundos. A empresa planeja manter a plataforma funcionando apenas para empresas, que utilizam o site para se relacionar com seus empregados.

O processo de encerramento do Google+ levará dez meses para ser concluído. Em agosto de 2019, portanto, a rede social já terá sido desativada.

Além do Google+


A decisão de desativar o Google+, além da adoção de políticas voltadas para a privacidade e a segurança dos usuários, são atribuídas a um esforço interno do Google chamado Projeto Strobe
Divulgação/Google

A decisão de desativar o Google+, além da adoção de políticas voltadas para a privacidade e a segurança dos usuários, são atribuídas a um esforço interno do Google chamado Projeto Strobe

O Google também anunciou novas configurações de privacidade para outros de seus serviços. Em breve, a Política de Dados do Usuário do Gmail
será atualizada e limitará o acesso dos aplicativos da própria empresa às informações de seus consumidores. Segundo Ben Smith, vice-presidente de engenharia do Google, apenas dispositivos que melhoram diretamente a funcionalidade do serviço de email serão autorizados a acessar os dados dos usuários.

Leia também: Nova falha no Facebook expõe dados de 50 milhões de usuários da rede social

Qualquer desenvolvedor que tiver acesso a essas informações terá que passar por avaliações de segurança e concordar com as novas regras impostas pelo Google. Estão proibidos, ainda, de transferir ou vender esses dados para segmentação de anúncios, pesquisas de mercado e rastreamento de campanhas via email.

Neste ano, depois que o jornal norte-americano The Wall Street Journal
detalhou a facilidade com que desenvolvedores de aplicativos têm acesso aos emails dos usuários do Gmail, o Google tentou acabar com a preocupação de seus consumidores. Na época, Suzanne Frey, diretora da divisão de segurança e privacidade do Google Cloud
, enfatizou que os usuários devem analisar quais aplicativos têm acesso a suas informações e revogá-los, se necessário.

Em 2017, a empresa anunciou que deixaria de “escanear” os conteúdos dos emails recebidos pelos usuários do Gmail para fins publicitários. Mesmo assim, o Google ainda tem acesso a inúmeras informações que podem ser utilizadas para segmentação de anúncios, como o histórico de pesquisa de seus consumidores, visualizações do YouTube e outras ações no Chrome.

Leia também: Extensão para Chrome dificulta direcionamento de anúncios no Facebook

Estas mudanças, incluindo a decisão de desativar o Google+
, são atribuídas a um esforço interno do Google chamado Projeto Strobe. A iniciativa, segundo a empresa, envolve uma revisão do “acesso de terceiros às contas do Google e aos dados de dispositivos Android”, além da mudança na maneira com que a gigante da tecnologia lida com o tema.

Comentários Facebook
Advertisement

Tecnologia

Xiaomi lança Redmi Note 9S no Brasil com bateria que dura dois dias

Published

on


.
Redmi Note 9S arrow-options
Reprodução

Xiaomi lança Redmi Note 9S


A Xiaomi anunciou o Redmi Note 9S no Brasil nesta segunda-feira (20) em um evento online. O smartphone intermediário chega ao país custando a partir de R$1799 em pré-venda, valor competitivo para as especificações interessantes que o dispositivo traz. 

Um dos maiores chamativos do modelo é o conjunto de quatro câmeras traseiras, com lente principal de 48MP. As demais lentes são uma macro, uma ultra-wide e um sensor de profundidade. 

Isso permite que o Redmi Note 9S produza fotografias tanto com campo mais aberto quanto de objetos bastante próximos com qualidade. Além disso, o smartphone consegue entregar efeitos queridos pelos usuários, como o modo retrato com fundo desfocado. 

Uma novidade da câmera do smartphone é que ela tem um modo de digitalização de documentos, que otimiza as imagens. Além disso, a Google Câmera, que melhora imagens, já vem integrada ao dispositivo.

Leia também: Celular da Xiaomi roda Windows 10; confira

Já a câmera frontal é de 16MP. Bons recursos estão presentes no modo selfie , como o efeito retrato, a foto panorâmica, vídeos em câmera lenta e full HD. A lente frontal fica localizada em um pequeno notch em formato de círculo no topo da tela, otimizando o espaço.

Bateria poderosa 

Outra especificação interessante do Redmi Note 9S é a bateria poderosa. Com 5020 mAh, a promessa é de que o smartphone tenha autonomia de até mais de dois dias, dependendo da frequência de uso. Além disso, o carregamento rápido suporta 18 watts. 

A respeito do processamento, o Redmi Note 9S vem com chipset Snapdragon 720G de oito núcleos. O processador gamer permite que o celular rode jogos com tranquilidade. O aparelho tem opções com 4GB e 6GB de memória RAM. Também há duas opções de armazenamento interno, com 64GB ou 128GB.

Leia também: Xiaomi lança boné inteligente contra a calvície

O celular é lançado com Android 10 , e a versão da interface adaptada da Xiaomi é o MIUI 11.

O modelo

O Redmi Note 9s é a versão global do Redmi Note 9 Pro, lançado no início de março da Índia. O lançamento global do modelo aconteceu no dia 23 de março e, agora, ele desembarca no Brasil. 

O smartphone tem especificações intermediárias premium e chega ao país com a expectativa de agradar pelo bom custo-benefício. Esse é justamente o motivo pelo qual a Xiaomi tem ganhado bastante destaque por aqui, com seus modelos intermediários ocupando o topo das listas de celulares mais buscados. 

O Redmi Note 9S chega com 6,67 polegas e proteção de Gorila Glass 5 na parte frontal e traseira, incluindo as câmeras. O debloqueio da tela pode ser feito por reconhecimento facial ou por impressão digital – o sensor fica localizado na lateral direita do aparelho, prometendo mais conforto.

Leia também: Celular da Xiaomi explode e empresa culpa usuário

O celular começa a ser vendido no Brasil em duas versões. A pré-venda já começou e vai até às 23h de hoje (20) ou enquanto durarem os estoques. A venda posterior não tem data para começar. O modelo com 4GB de RAM e 64GB de armazenamento vai custar R$2799 (ou R$1799 para quem comprar hoje), enquanto a versão com 6GB de RAM e 128GB de memória será vendida por R$2999 (ou R$1999 para quem comprar hoje). Ambos estão disponíveis nas cores branco glacial, azul aurora e cinza interestelar.

Especificações completas do Redmi Note 9S

  • Tamanho: 6,67 polegadas
  • Resolução da tela: 1080 x 2400
  • Proteção: Gorilla Glass 5
  • Cores: Branco glacial, azul aurora e cinza interestelar
  • Sistema operacional: Android 10, MIUI 11
  • Processador: Qualcomm Snapdragon 720G
  • Memória RAM: 4GB/6GB
  • Armazenamento interno: 64GB/128GB
  • Bateria: 5020 mAh
  • Câmera frontal: 16MP
  • Câmera traseira: Sensor principal de 48 MP; Sensor secundário de 8 MP (ultra-wide 190º); Sensor de 5 MP (Macro) Sensor de 2 MP (profundidade)
Fonte:

Comentários Facebook
Continue Reading

Policial

Política MT

Mato Grosso

Nacional

Entretenimento

Tecnologia

Mais Lidas