conecte-se conosco


Tecnologia

Conhece os chans? Autores do massacre em Suzano acessavam fóruns da deep web

Publicado


Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, foi identificado com um dos atiradores do massacre em Suzano
Reprodução

Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, foi identificado com um dos atiradores do massacre em Suzano


O Ministério Público (MP) de São Paulo está investigando o possível envolvimento de organizações criminosas e fóruns extremistas da internet no massacre em Suzano , ocorrido nesta quarta-feira (13). Na data, dois assassinos entraram na Escola Estadual Raul Brasil e mataram, a tiros, oito pessoas, comentendo suicídio logo depois.

Leia também: O que já sabe sobre o massacre que deixou oito vítimas fatais em Suzano?

Os atiradores Guilherme Taucci Monteiro, de 17 anos, e Luiz Henrique de Castro, de 25, autores do  massacre em Suzano , foram encontrados em diversas publicações dessas comunidades de ódio online pedindo dicas para realizar o ataque. “Muito obrigado pelos conselhos e orientações,” diz um dos assassinos em uma publicação. “Esperamos do fundo dos nossos corações não cometer esse ato em vão”, completa.


Atiradores pediram dica em fóruns extremistas na internet antes de realizar o massacre em Suzano
Reprodução

Atiradores pediram dica em fóruns extremistas na internet antes de realizar o massacre em Suzano


Desde ontem (13), alguns usuários desse tipo de fórum, conhecido na internet como  chan , comemoram a morte das vítimas do atentado. Em um deles, Monteiro é idolatrado. “Descobriram o perfil do herói”, diz a mensagem de um membro, ao lado da foto do assassino.

As mensagens do planejamento do crime e de pessoas celebrando o tiroteio em Suzano  foram publicadas em um dos chans mais famosos atualmente, o  Dogolachan .

Mas afinal, o que são os chans, utilizados pelos autores do massacre em Suzano?


Uma prática comuns nos chans, como o utilizado pelos autores do massacre em Suzano, é incentivar o assassinato de outras pessoas antes do suicídio
Reprodução

Uma prática comuns nos chans, como o utilizado pelos autores do massacre em Suzano, é incentivar o assassinato de outras pessoas antes do suicídio


Chans, também chamados de imageboard , são comunidades completamente anônimas em que o politicamente incorreto é amplamente pregado. Protegidos pela falta de identificação, nesses locais são permitidos e comumente vistos o ódio contra mulheres, população LGBT, negros e outras minorias.

Leia mais:  Novidade no WhatsApp: agora você escolhe quem pode te colocar em grupos

Para se comunicar, os membros desses fóruns desenvolveram uma linguagem com palavras e gírias próprias, como newfag e oldfag , para fazer referência à membros novos e antigos, por exemplo. Há também uma série de menções chulas às mulheres, que são vistas pelos membros apenas como um objeto envolta de suas partes íntimas – o que explica, também, o amplo conteúdo pornográfico presente nessas plataformas. 

Os usuários desses sites, também chamado de chaneros , se autointitulam “falhos”, ou seja, pessoas que falharam na vida. As “falhas” citadas podem ser profissionais ou acadêmicas, mas são mais utilizadas para se referir a uma pessoa antisocial, que não consegue conviver com outras ou se relacionar amorosamente.

Outra característica importante desses grupos que pregam o ódio e a violência extremas é a adoração à morte. Sempre que algum membro avisa que decidiu optar pelo suicídio, os outros respondem “leve a escória junto”, o que, para eles, significa matar mais pessoas antes de morrer – de preferência, em grande número. Dessa forma, eles incentivam planos de massacres e atentados .


Deep Web

Para não serem rastreados, os chans ficam alocados na  deep web , um segmento da internet que não pode ser encontrado por buscadores tradicionais, como o Google, e nem por navegadores comuns. O acesso é difícil e feito apenas com a instalação de um software e programas específicos no computador.

Leia também: Atiradores de Suzano planejavam ação há um ano e teriam pedido dicas na deep web

A deep web, que quer dizer “web profunda”,  em português, abriga e redes e sites anônimos, que podemser utilizados para fins legítimos, como o uso de ativistas políticos ou o armazenamento de documentos do governo, como para abrigar conteúdo questionável e, muitas vezes, ilegal.

Leia mais:  EUA: Uber, Lyft e Airbnb autorizam que usuários recusem clientes neonazistas

Livre de rastreios e identificações, é comum encontrar, nessa parte da rede conhecida como ” dark web ” (web escura), conteúdos de zoofilia e pedofilia, hackers e criminosos. Alguns chans famosos globalmente, como 55chan e o próprio Dogolachan, podem ser encontrados lá.

Casos similiares foram incentivados por chans


Marcelo Valle Silveira Mello é o criador de chans como o Dogolachan, que auxiliaram os autores do massacre em Suzano e outros atentados
Reprodução

Marcelo Valle Silveira Mello é o criador de chans como o Dogolachan, que auxiliaram os autores do massacre em Suzano e outros atentados

Em 7 de abril de 2011, um atentado similar aconteceu na Escola Municipal Tasso da Silveira, no bairro de Realengo , Rio de Janeiro. Wellington Menezes de Oliveira, de 23 anos, entrou no local  matando 12 crianças e deixando 22 pessoas feridas . Quando foi encontrado pela Polícia Militar (PM), também se matou. Um ano após o atentado, durante investigação, a Polícia Federal (PF) descobriu que o assassino havia sido influenciado e incentivado nesses fóruns da internet .

Leia também: Tragédia de Suzano é o sétimo ataque ocorrido no Brasil; relembre outros casos 

Em 2012, Emerson Eduardo Rodrigues Setim e Marcelo Valle Silveira Mello, criadores de grupos como o Dogolachan , foram presos na Operação Intolerância, da PF, por incitar crimes graves e violência na internet. Seus alvos eram, em maioria, negros, homossexuais, mulheres, nordestinos e judeus, além de incentivarem, também, o abuso sexual de menores. No meio dos conteúdos publicados por eles, foram encontradas referências do apoio prestado pelo chan ao atirador Wellington.

Colocados em liberdade em maio de 2015 por um indulto judicial, Marcelo Valle Silveira Mello voltou a ser preso em maio do ano passado, na deflagração da Operação Bravata e, em dezembro, ele foi condenado a 41 anos, seis meses e 20 dias de prisão por associação criminosa, divulgação de imagens de pedofilia, racismo, coação, incitação ao cometimento de crimes e terrorismo cometidos na internet.

Leia também: Atirador se inspirou em massacres de Realengo e Columbine, diz delegado em GO

Nos fóruns promovidos por esses criminosos, os autores do massacre em Suzano  procuravam inspiração em casos antigos, como o de Realengo e o de Columbine, nos Estados Unidos, em 1999.

Fonte: IG Tecnologia
Comentários Facebook
publicidade

Tecnologia

Existem filtros do Instagram “escondidos”? Sim! Veja como encontrá-los

Publicado

por

Desde que foram lançados, em 2017, os filtros do Instagram são uma forma de transformar as fotos que você publica em seus Stories em algo divertido. Porém, se você acha que as opções de máscaras da rede social não são tão legais assim, fique sabendo que existem algumas que estão “escondidas”.

Leia também: Mudança do Instagram trará nova câmera, “mercado” e teste de fim de likes


filtros do Instagram
Divulgação/Instagram

Os filtros do Instagram servem para deixar as fotos dos stories com efeitos divertidos, mas alguns estão ‘escondidos’

Sim, o fato de existirem filtros do Instagram que são “secretos” significa que você não precisa mais usar as famosas orelhas de cachorro para sempre. Mas, afinal, como encontrar essas máscaras se elas não aparecem automaticamente na sua lista? Acredite, não é tão difícil assim.

Como conseguir novos filtos do Instagram

Na realidade, existem duas formas de fazer e ambas são bastante simples; aprenda:

Sempre que alguém está usando um filtro nos stories, aparece um link na parte de cima (como mostrado na primeira foto da montagem abaixo) com o nome da máscara. Caso você veja em alguma foto e queira usar, é só clicar nesse link e automaticamente ele será disponibilizado na sua lista. 

Leia mais:  Em reunião com o WhatsApp, TSE debate iniciativas para combater fake news

filtros do Instagram
Reprodução/Instagram/

Para conseguir os filtros do Instagram, é só clicar nos links que aparecem acima dos stories ou seguir perfis de criadores


Outra forma é descobrir quem são os criadores daquele filtro. Muitos designers desenvolvem máscaras para os stories e você pode usá-las quando começa a seguir aquele perfil (foto do meio da montagem acima). O mesmo acontece com filtros de famosos, marcas ou eventos, como é o caso de Anitta, Kylie Jenner, Adidas e NBA, que possuem suas próprias personalizações para as fotos. 

Depois de seguir os perfis dos criadores ou clicar no link, é só entrar na opção de adicionar um novo story, clicar no rostinho sorridente (circulado em vermelho na foto 3 da montagem) e usar a nova opção de filtro que você escolheu. 

Para encontrar esses criadores de filtros, você pode procurar por hashtags (#effects,  #filters ou #instamask, por exemplo) ou dar uma olhada em sites, como o  Lenslist.co , que tem uma lista das últimos efeitos lançados para serem usadas no Instagram, Snapchat e Facebook. 

Leia mais:  EUA: Uber, Lyft e Airbnb autorizam que usuários recusem clientes neonazistas

Leia também: Pouca memória no celular? Conheça a versão leve do Instagram para Android

Filtros do Snapchat


filtros do Snapchat
Reprodução/Snapchat

Além dos filtros do Instagram, os efeitos do Snapchat também podem ser desbloqueados em uma comunidade de lentes

O Snapchat voltou a ser assunto com os  filtros de bebê  e, por isso, também pode ser uma boa ideia descobrir como funciona as máscaras “escondidas” no app. Para isso, você pode clicar no emoji sorridente que aparece embaixo dos filtros que já estão na sua lista.

O botão vai te direcionar para uma página com lentes comunitárias, onde você pode escolher uma ou pesquisar por outros efeitos na busca. Clique em “experimentar” para usar nas suas fotos. Depois disso, é só se divertir com seus novos  filtros do Instagram ou do Snapchat! 

Fonte: IG Tecnologia
Comentários Facebook
Continue lendo

Policial

Política MT

Mato Grosso

Nacional

Entretenimento

Tecnologia

Mais Lidas